Depois do museu, artistas na estante de casa

"Ver é mais importante do que pintar e desenhar - isso pode-se aprender. Ver é preciso saber", disse a dadaísta alemã Hannah Höch (1898-1978). E esse treinamento do olhar pode ocorrer também fora dos museus. Conhecida por suas fotomontagens, ela fez em 1945 o Livro de Imagens (24 págs., R$ 69), que mostra um mundo habitado por plantas e animais exóticos. A autora não chegou a ver a obra publicada - o mercado editorial ainda não estava pronto para um projeto elaborado como esse. Saiu numa edição limitada em 1985, e só em 2008 o grande público teve acesso à obra na Alemanha. O livro de Höch chega agora ao Brasil para inaugurar a coleção Contos de Pipa, criada pela editora Gustavo Gili para abrigar livros de artistas feitos para crianças (pequenas e grandes).

O Estado de S.Paulo

03 de novembro de 2012 | 02h07

É lançado também, pela mesma coleção, Mau Mau (38 págs., R$ 49), ilustrado por Niki de Saint Phalle - uma das artistas que fizeram a Fonte Stravinski, em Paris - e escrito por Laurent Condominas. Conta a história de um monstro que rouba brinquedos. E ainda Alfabeto (64 págs., R$ 49), de Sonia Delaunay (1885-1979). Para cada letra ilustrada pela artista, uma cantiga adaptada para o universo brasileiro por Alípio Correia de Franca Neto.

Na supercolorida edição de Peter e Wendy (288 págs., R$ 89), da Cosac Naify, as ilustrações são do artista plástico Guto Lacaz. E para quem quer conhecer mais a vida de artistas, a Callis publica a coleção Crianças Famosas - este mês relança Picasso (24 págs., R$ 22,90), de Ann Rachlin e Susan Hellard. / M.F.R.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.