Depende do olho de quem vê

Júlia Lemmertz faz a diferença em Amor? Sua personagem se envolve com um homem mais velho, não necessariamente maduro e que teve um passado na guerrilha. Ele humilha e agride a mulher. Como ocorre com frequência nessas histórias, ela se deixa humilhar e agredir. Júlia é densa, emotiva. A cena é filmada em plano sequência. Quando termina de falar, o diretor não corta. A câmera segue filmando.

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

15 Abril 2011 | 00h00

A atriz, encerrada sua fala, começa a sair da personagem. Mas Júlia percebe que continua sendo filmada. Por um momento, ela não sabe exatamente como reagir. Olha para a câmera, para trás da câmera. Olha para os lados, crispa as mãos, os lábios e a câmera, inflexível, não desliga. É o toque de gênio do filme.

Documentário, ficção? Amor? se constrói no limite entre ambos. Um filme nas bordas, como se diz. Eduardo Coutinho tem trabalhado nesse registro, do qual Jogo de Cena é o melhor exemplo. Num certo sentido, Amor? é cria de Jogo de Cena. A mesma importância conferida à palavra. François Truffaut, um ficcionista romântico, que desconfiava do próprio romantismo gostava de mostrar apaixonados divididos entre o gesto impulsivo e a palavra consciente. Júlia representa, naquele momento, o limite.

Temos a personagem, a atriz, o diretor. Cada um marca sua presença. As duas primeiras têm limites fixados pelo último. A atriz desnuda-se, fragiliza-se. Amor? tem vários níveis. Atração fatal é a leitura mais óbvia. Há coisas muito mais ricas. Depende do olho e da sensibilidade de quem vê.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.