Denise Stoklos volta com obra inédita

Denise Stoklos nunca se afastou dos palcos. Recentemente, esteve em São Paulo reapresentando sucessos de seu repertório, como Calendário da Pedra e Vozes Dissonantes.

Maria Eugênia de Menezes, O Estado de S.Paulo

04 Abril 2011 | 00h00

Mas fazia tempo que a múltipla artista paranaense não se arriscava em uma nova criação.

Com Preferiria Não?, Denise preenche uma lacuna de quase seis anos. A peça, que fez sua estreia no Festival de Curitiba na última quinta-feira, é a primeira obra inédita desde 2005, quando apresentou Louise Bourgeois: Faço, Desfaço, Refaço.

Se o trabalho anterior era um mergulho no universo da artista plástica franco-americana, agora a atriz se detém sobre um consagrado título da literatura. O ponto de partida é Bartleby, O Escriturário. Nessa curta novela, Herman Melville fala sobre a história de um excêntrico copista de Wall Street. Inicialmente eficiente, ele, de repente, recusa-se a trabalhar. Para a atitude inesperada, não oferece desculpas ou explicações. Diz, simplesmente, que prefere não fazer.

Assim como no livro de Melville, opta-se no espetáculo pelo ponto de vista do patrão. Não se deve esperar, porém, por muita fidelidade à obra original.

Nesse sentido, Preferiria Não? é perfeitamente coerente ao percurso de sua criadora. Como em todas as suas peças, Denise assume não apenas a função de intérprete, mas também de encenadora e dramaturga. E impregna qualquer texto de uma carga pessoalíssima.

Ainda que o enredo seja diferente, Preferiria Não? parece seguir por um caminho já conhecido pelo público que acompanha a artista: a presença performática, o apuro com o trabalho físico e uma forte dose de crítica à sociedade contemporânea.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.