Gary Hershorn/Reuters
Gary Hershorn/Reuters

Demora no diagnóstico de câncer de Douglas revolta Zeta-Jones

Ator revelou recentemente sua luta contra um câncer na garganta

Bob Tourtellotte, REUTERS

01 de setembro de 2010 | 10h54

A atriz Catherine Zeta-Jones admite que é difícil ver seu marido Michael Douglas lutar contra um câncer na garganta e disse à revista People estar furiosa com médicos que não detectaram a doença mais cedo.

Douglas, vencedor de Oscar por "Wall Street - Poder e Cobiça" e um veterano em filmes de Hollywood e da televisão, disse à revista de celebridades que ficou meses buscando atenção para uma dor persistente na garganta e no ouvido, mas até agosto apenas recebeu informações de que nada estava errado.

Ele anunciou no dia 16 de agosto que médicos haviam encontrado um tumor em sua garganta e que seria submetido a radioterapia e quimioterapia, tratamentos que já iniciou. "Fico furiosa por eles não terem detectado isso mais cedo", disse Zeta-Jones à revista People. "Ele buscou todas as opções e nada foi encontrado."

A atriz, também vencedora de um Oscar por "Chicago", é casada com Douglas há dez anos e o casal tem dois filhos, Dylan, de 10 anos, e Carys, 7 anos. Douglas tem 65 anos e é filho do ator Kirk Douglas.

Ele está atualmente passando por radioterapia e quimioterapia cinco vezes por semana, a cada três semanas, para retirar o tumor do tamanho de uma noz, na base de sua língua.

Zeta-Jones disse não suportar a ideia de ver seu marido passando por quimioterapia e radioterapia e perdendo sua força ao lutar contra a doença. "Eu sei que talvez eu deveria ser mais forte, mas emocionalmente eu não quero ver isso", disse ela, acrescentando depois. "A parte mais difícil é ver sua fadiga, porque Michael nunca está cansado."

Douglas disse à revista People que estava otimista sobre suas chances. "Estou tratando isso como uma doença curável", declarou. "É uma luta. Vou vencer isso."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.