Democracia quadrinista

Outros Quadrinhos assume missão de adaptar e divulgar de graça na web títulos inéditos

RAMON VITRAL, O Estado de S.Paulo

28 Setembro 2013 | 02h20

As alternativas propostas pelo site Outros Quadrinhos (outrosquadrinhos.com.br) não dizem respeito apenas à oferta grátis, em português, de obras estrangeiras independentes produzidas para a internet. Também são uma referência ao catálogo da página, uma reunião de títulos dos mais diferentes tipos, mas de origens antagônicas aos badalados comics e mangás que ocupam as bancas nacionais.

"Mesmo que seja um site que não dê retorno financeiro, tudo o que fazemos nele é com profissionalismo em mente. O serviço é feito por quatro fãs, mas mantendo o nível de qualidade que qualquer um de nós teria em um trabalho regular", conta um dos editores, Fabiano Denardin. No ar desde junho, a página já reúne dez séries produzidas por autores de quatro nacionalidades. Todas disponíveis sem custos.

Com experiência em tradução e edição de gibis, os responsáveis pelo projeto justificam a empreitada pelo prazer de trabalhar com o gênero. "Gostamos de quadrinhos. 'Desses' quadrinhos. Sei que é bobo responder assim, mas, no fim, é isso", diz Érico Assis, também responsável pela página.

Apesar da presença de anúncios publicitários no site, a dupla explica que o foco é a divulgação de materiais inéditos: "Dividimos qualquer lucro com os autores. O grande ganho tem que ser deles, em termos de públicos diferentes que vão atingir. Eles já publicam o material de forma gratuita. Só damos uma forcinha para chegar a mais gente", explica Assis.

Um dos hits do site é a série Lápis Zen, do australiano Gavin Aung Than. Uma das mais curtidas e compartilhadas do universo dos quadrinhos virtuais, ela adapta discursos e textos famosos e históricos. Falas célebres de Steve Jobs, Albert Einstein e Dalai Lama ganharam versões coloridas com personagens cartunescos.

"Já pensava em traduzir meus quadrinhos para outras línguas, então eles me procuraram no momento certo. Fiquei empolgado, pois sabia que iria ajudar a divulgar meu trabalho no Brasil, e, como eles trabalham com quadrinhos, sabia que ia ficar ótimo", conta Than em entrevista por e-mail ao Estado. Seu mais recente sucesso já está disponível em português: uma versão ilustrada de um discurso clássico de Bill Watterson, criador da série Calvin e Haroldo, feito em 1992 para uma turma de formandos de uma universidade dos EUA.

Por enquanto, além das obras do australiano, também podem ser lidas: a ficção científica juvenil Planeta Ruiva, a infantil Tenebrosas Fofuras, a existencial chilena Os Nós Ocultos, o terror Lovecraft Desaparecido, as fantasias Falso Positivo e Serena Rosa e a policial Murder Book. Também traduzida e adaptada pelo Outros Quadrinhos, o blockbuster The Private Eye, de Brian K. Vaughan e Marcos Marin, pode ser adquirida em panelsyndicate.com

Animador e roteirista da série Phineas e Ferb, da Disney, e autor de Planeta Ruiva, o norte-americano Eddie Pittman conta nunca ter esperado ver seus trabalho em outra língua. "Meu objetivo foi criar uma história atraente e torcer para que as pessoas chegassem a ela. Presumi que a audiência seria de pessoas que falam inglês", conta o autor também por e-mail. Segundo Pittman, por enquanto, a edição de sua série no Outros Quadrinhos é a única disponível no mundo além da original.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.