Divulgação
Divulgação

‘Deixem meu pai fazer xixi de porta aberta em paz’, diz Dudu Braga

Ele também conta que fica chateado quando associam o nome de Roberto Carlos ao de um censor

Julio Maria - O Estado de S. Paulo,

05 de junho de 2013 | 20h11

Jornalista e locutor, Dudu Braga, filho de Roberto, cresceu em meio ao assédio à vida do pai por jornalistas e biógrafos. Tanto que criou logo suas opiniões sobre o fato de Roberto ter o direito de não querer ver sua vida nas páginas de um livro que não tivesse sido escrito por ele mesmo. "Meu pai é um artista, não é um político que roubou dinheiro público e deve dar satisfações do que fez. As pessoas não podem colocar os dois casos na mesma cesta."

Ele diz ficar sempre muito chateado quando associam o nome de Roberto ao de um censor, pelo fato de ele ter proibido a biografia Roberto Carlos em Detalhes, escrita pelo pesquisador Paulo Cesar de Araújo. "Vou falar de coração mesmo: somos todos contra a censura em casa e meu pai é uma pessoa democrática. Mas não posso aceitar o argumento de que você não tem direito a ter vida privada se for uma pessoa pública. Se o meu pai faz xixi ou não de porta aberta, isso é direito dele. Deixem ele fazer xixi de porta aberta em paz."

Sobre o caso que envolve o livro de Maira Zimmerman, pedido por Roberto para ser retirado das lojas mesmo se tratando de uma obra de pesquisa social, Dudu diz ter sido informado de que os problemas se deram apenas pelo uso da imagem de Roberto na capa. Informado pela reportagem de que a notificação enviada pelo advogado de Roberto falava também em violação da privacidade no conteúdo do livro, ele manteve sua posição. "Não li, não posso falar nada sobre isso."

Filme do paizão. Dudu Braga sabe: se Roberto Carlos não contar sua história pelas próprias mãos, a humanidade o fará mais cedo ou mais tarde, com ou sem autorização. E por muitas vezes. Ele conta que Roberto já falou sobre ele mesmo narrar sua vida em um livro. "É uma vontade dele, sem dúvida. Só acho que teria ao menos três volumes. A canção Detalhes não é um acaso. Ele é assim mesmo, ultradetalhista. E seria assim para contar sua própria história." Ele revela ainda que, há poucos dias, teve uma conversa com o pai sobre a possibilidade de ele se envolver na produção de um filme sobre sua vida. "Ele mesmo levantou isso, mas claro que ainda é só uma ideia."

Dudu diz que Roberto é cercado por empresários e representantes jurídicos que fazem o trabalho de clipagem sobre tudo o que sai em livros e outros produtos sobre ele de maneira automática. "Mas a decisão geral é dele, claro."

O jornalista diz ser um apaixonado por biografias e considera a de Tim Maia, escrita por Nelson Motta, uma das melhores que já leu. No entanto, diz que Roberto não está errado em se fechar como faz, diante de biografias e da imprensa. "As redes sociais e as revistas de fofoca comercializam informações sobre meu pai. Por isso ele faz tudo com muito cuidado." Se as atitudes do cantor em não permitir que seu nome apareça em obras seria um reflexo de seu próprio estilo de vida, recluso há três décadas? "É complicado. Muitas pessoas que podem cercá-lo acabam passando informações sobre sua vida privada a desconhecidos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.