Deficientes dançam no CCSP

A dança sem fronteiras. Essa é a idéia básica que rege a Companhia de Dança Arte sem Barreira. Um grupo de bailarinos portadores de deficiência física, que mostram a possibilidade de dançar com suas diferenças, apresentam as coreografias Dançar para um Novo Olhar e Dançar Faz a Diferença, na Sala Adoniran Barbosa, do Centro Cultural São Paulo, até domingo. O espetáculo é gratuito (os convites devem ser retirados com uma hora de atencedência) e marca a primeira temporada dos artistas. "A nossa proposta é apresentar ao público outra forma de ver a dança. A intenção é fazer com que as pessoas assistam às coreografias sem preconceitos, abertas a uma nova experiência e uma nova percepção", comenta a coordenadora da companhia, Andréia Passarelli. Por essa razão, a coreografia "Dançar para um Novo Olhar" abre a noite. "Essa peça mostra a beleza do deficiente no palco, questiona o mundo de aparências em que vivemos", diz Andréia. Dançar trata da importância de ser humano, de estar vivo e poder produzir, sempre. Dançar Faz a Diferença tem como mote a diversidade, tanto cultural como entre as pessoas. "Ao estudar História Universal, observamos que há diferenças entre povos, costumes e, principalmente, aquilo que diz respeito à questão física. Essas diferenças existem até hoje, só precisamos aprender a conviver com elas." As coreografias foram criadas em um processo em conjunto com a coordenadora e os bailarinos. "A partir de laboratórios de movimentos e improvisações, descobrimos muitas possibilidades de atuação, que, diante de um tema, foram tomando a forma de um espetáculo", conta.

Agencia Estado,

16 de outubro de 2001 | 16h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.