Debussy, cem anos depois

Centenário de nascimento do músico de vanguarda levou o caderno a publicar perfil que examinava sua vida e trajetória profissional

R. SCHNORRENBERG, O Estado de S.Paulo

29 de janeiro de 2011 | 00h00

Claude Achille Debussy nasceu a 22 de agosto de 1862 em St. Germain-en-Laye. Nada o destinava á musica e ninguém em sua família - seus pais eram pequenos comerciantes - possuía dotes artísticos. Destinado pelos pais á carreira maritima, foi numa visita a Cannes que conheceu o mar e teve suas primeiras aulas de piano com um certo Cerutti. Pouco mais tarde passou a tomar aulas com uma professora italiana, Mme. Mauté de Fleurville, que tinha sido aluna de Chopin e era sogra de Paul Verlaine. Essa senhora fê-lo realizar tais progressos que pôde ingressar em 1873 no "Consérvatoire", inicialmente na classe de solfejo de Lavignac e dois anos mais tarde na classe de piano de Marmontel. Lavignac muito o encorajou, até que Debussy obteve a primeira medalha de solfejo em 1876. As aulas com Marmontel foram já mais dificeis. O talento pianistico de Debussy era grande mas seu temperamento não se adaptava ás necessidades disciplinares do estudo puramente instrumental. Preferiria muito mais ler novas partituras a passar horas praticando escalas e arpejos, tanto assim que Marmontel, que não era insensível ás suas qualidades excepcionais, disse certa vez a outro aluno: "Esse diabo de Debussy não gosta nada de piano mas muito de musica". Apesar dessas dificuldades Debussy conseguiu um "segundo premio" de piano em 1877.

Debussy seguiu depois o curso de harmonia de Emile Durand, homem severo e professor academico e reacionario, com quem manteve relações dificeis apesar de ter-lhe mais tarde dedicado um trio (1876-1879, inedito).

Em 1879, Debussy foi recomendado por Marmontel a Nadezhda von Meck que procurava um pianista para ler com ela novas musicas. Era ela a protetora de Tschaikovsky, possibilitando ao compositor uma vida sem dificuldades, desde que não travassem relações pessoais (5). Em sua companhia, Debussy visitou a Suiça, Italia e Russia. E" então que ouve em Viena, pela primeira vez, "Tristão e Isolda". Essa revelação ia marcá-lo por toda a vida. Na Russia, que visitou em 1881 e 1882, tomou conhecimento da musica russa, cuja influencia sobre sua carreira é muito discutida e sobre a qual voltarei em proximo artigo.

Também em 1880, Debussy obteve um "premier prix" em acompanhamento, na classe de Bazille. Ingressou ainda na classe de composição de Ernest Guiraud, preferindo-a á mais conhecida de Massenet. Tornou-se grande amigo de Guiraud que o auxiliou grandemente, impressionado pelos pontos de vista já originais do futuro compositor. (...)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.