Débora Bloch estréia 'Brincando em cima Daquilo' em SP

Bem humorada, a atriz Débora Bloch volta a ser o que a tornou famosa na TV na peça Brincando Em Cima Daquilo, que estréia hoje, no Teatro Shopping Frei Caneca, em São Paulo. Ela jura que nunca perdeu o tom de comediante, só não queria se repetir. O clima de descontração e cumplicidade se estabelece logo na entrada - ao chegar ao teatro, o público é recebido pela atriz que, em roupa de ensaio, encaminha as pessoas, conversa, ouve comentários, cantarola o samba ambiente, até convida alguns para dançar. Mais alguns minutos e, de tão familiarizada com o ambiente, a platéia nem percebe que já está assistindo à peça com textos curtos de Dario Fo."Eu cumprimento as pessoas e travo uma conversa, já anunciando o tipo de relação que vamos estabelecer, baseada na cumplicidade", conta a atriz. "É um jogo novo a cada dia, um salto sem rede, que exige muita concentração." De fato, a atriz mantém um contato tão íntimo com os espectadores que permite já praticar o humor antes de subir no palco - durante a temporada carioca, por exemplo, Débora percebeu que um homem falava ao telefone celular. "Ele levou um susto com a minha bronca. ''Já começou''?, perguntou. Claro, eu respondi, ou você acha que eu vim aqui só para bater um papinho?"A proximidade entre ator e platéia é um dos pilares da dramaturgia do italiano Dario Fo que, ao lado da mulher Franca Rame, faz uso da improvisação para estabelecer um contato direto com o público, característica essencial ao seu teatro, aquele que recupera a vida, sem ser sagrado.Sozinha em cena, Débora Bloch revela um mosaico da condição feminina contemporânea. "Todas as personagens são mulheres comuns que, como as demais, têm desejos, sonhos, desilusões, encontros e desencontros. São mães, esposas, amantes", explica. O espetáculo é formado por três estórias: Uma Mulher Sozinha fala de uma mulher que vive trancada em casa pelo marido; Volta ao Lar conta a história de uma mulher que resolve se vingar do marido e acaba no motel com o colega de escritório; e Temos Todas as Mesmas Estórias, que foi dividida em três partes.Débora e o diretor Otávio Muller assistiram à primeira montagem de Brincando em Cima Daquilo, sucesso nos anos 1980, com Marília Pêra no palco. Mas, se mantiveram a espontaneidade, criaram novos vínculos. Também o cenário é despojado, composto por quatro caixas de som espalhadas pelo palco, além de elásticos que marcam o espaço de atuação. Finalmente, a interpretação que, fruto do talento de Débora Bloch, é capaz de fazer esquecer a grande atuação de Marília Pêra. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE, Agencia Estado

01 de outubro de 2008 | 11h33

Tudo o que sabemos sobre:
teatroestréiaDébora Bloch

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.