De volta, a coreografia poética de Márcia Milhazes

Tempo de Verão coleciona prêmios, APCA e Bravo são dois deles. Na edição retrospectiva de oito anos da revista, o espetáculo foi considerado como um dos melhores montados no País nos últimos anos. Essa coreografia de Márcia Milhazes resgata as valsas brasileiras, canções de Cartola e Orlando Silva em uma bela colagem musical e fica em cartaz neste sábado e domingo no Teatro Alfa.As valsas estão intimamente ligadas às memórias pessoais da coreógrafa e às anotações que fez durante viagens. Sons da natureza entram sorrateiramente no espetáculo, uma referência ao filho, Thomaz Camilo. Ainda em família, o delicado cenário é composto por peças da artista plástica Beatriz Milhazes, um dos expoentes da arte contemporânea brasileira. A iluminação é assinada pela mãe da coreógrafa, Glauce Milhazes.Esta coreografia dá seqüência a pesquisa de Marcia, que busca o diálogo entre o erudito e o popular. Desde 1994, quando fundou sua companhia independente, a Márcia Milhazes Dança Contemporânea, a criadora pesquisa a cultura brasileira, suas raízes e influências. A linguagem artística desenvolvida por ela e por seus três intérpretes - Al Crisppinn, Ana Amélia Vianna e Pim Boonprakob - é original e sofisticada. Todos os gestos são minuciosamente trabalhados, ´a dança é como um poema, em que cada ponto, cada vírgula, assume um significado´, diz a coreógrafa. Márcia Milhazes. Teatro Alfa (1.134 lug.). Rua Bento Branco de Andrade Filho, 722, Santo, Amaro, 5693-4000. Sáb., 21 h; dom., 18 h. R$ 30 a R$ 60

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.