Imagem Luis Fernando Verissimo
Colunista
Luis Fernando Verissimo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

De Vermont

Estado de Vermont, nos Estados Unidos, é um pouco como o América Futebol Clube do José Trajano (cujo livro recém-lançado Tijucamérica é uma delícia de capa a capa): não ganha muitos campeonatos, mas é simpático, e o segundo time de todo o mundo. Vermont fica no leste dos Estados Unidos, na fronteira com o Canadá, e é famoso pela sua folhagem de outono e pela excentricidade dos seus eleitores. É o único Estado americano que já teve um governador socialista. E agora produziu um candidato a candidato do Partido Democrata nas próximas eleições presidenciais, Bernie Sanders, um “progressista” – que é o apelido que dão, lá, a quem é de esquerda – judeu, nascido no Brooklyn, mas que fez toda a sua carreira política em Vermont, chegando a senador pelo Estado. Sanders é a grande novidade na política americana.

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S. Paulo

27 de agosto de 2015 | 02h00

A esquerda sempre teve candidatos nas eleições americanas, mesmo que a maioria da população nem fique sabendo quem são. O próprio Partido Comunista não deixa de sempre apresentar candidatos à presidência. O partido nunca foi prescrito nos Estados Unidos, embora digam que o que o mantém vivo são os agentes do FBI infiltrados nos seus quadros. (Seria fácil identificar os agentes: são os únicos que pagam suas mensalidades em dia.) A diferença entre Sanders e os candidatos semiclandestinos da esquerda protocolar é que Sanders tem atraído multidões a seus comícios e aparecido com destaque surpreendente nas pesquisas de intenção de voto. Ou seja: tem despertado a atenção que a esquerda, no passado, não teve nem em sonho.

Sanders fala de radicalizar o controle dos grandes bancos e do capital financeiro em geral e acabar com a festa do “um por cento”, como chamam a casta dos supermilionários que personificam, ao absurdo, a concentração de renda no país. Sua agenda social para amenizar a desigualdade é bem mais “progressista” do que a do Obama. Porém, ah porém. A mensagem de Sanders e sua repercussão são novas, mas não devem entusiasmar demais. Primeiro porque sua candidatura dificilmente sobreviverá à convenção do partido, onde a escolha do candidato se dá entre conchavos e sussurros e onde o dinheiro também manda. Segundo porque tem outro candidato a candidato fazendo o mesmo tipo de barulho, o Republicano Donald Trump, uma piada humana que também não chegará lá. O sucesso de Trump, de alguma maneira, desmoraliza o sucesso de Sanders. Seriam dois fenômenos passageiros, sem tração e sem futuro. Vamos ver.

Papo vovô. Lucinda, nossa neta de 7 anos, está tendo aulas de música. No outro dia, a mãe dela reclamou do misterioso desaparecimento de um par de meias na bagunça do seu quarto e ela retrucou com a ária “Nessum dorma” da ópera Turandot, do Puccini: “Il mio mistero é chiuso in me”... Ela decidiu apreender a tocar bateria. A família está preparando o espírito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.