"De Profundis" volta em nova montagem

Uma cela cujas paredes são feitasde tecido semitransparente. Ali dentro o público vai se acomodarem De Profundis, a nova montagem da Companhia de Teatro OsSatyros, que mescla vida e obra de Oscar Wilde e estréia nesta sexta-feira, na sede do grupo. A dramaturgia de Ivam Cabral tem comobase uma longa carta escrita por Wilde na prisão a AlfredDouglas, seu ex-amante. Mas o público conhecerá também contoscomo O Pescador e Sua Alma e trechos do romance O Retratode Dorian Gray. O diretor Rodolfo García Vázquez dividiu a cena em trêsplanos. Dentro da cela, a prisão da alma. Fora dela, numprimeiro plano, a prisão do espírito e, mais acima, a prisão dabeleza. "Wilde era um grande sedutor, que encantava pelaretórica e amava a beleza. Um homem exuberante de corpo eespírito, que se vestia de forma extravagante e comportava-seigualmente fora dos padrões de sua época. Tanto que se tornouuma celebridade - chegando a fazer palestras nos Estados Unidos- antes mesmo da publicação de seu primeiro romance, O Retratode Dorian Gray", comenta Cabral. "Mas seu comportamentopessoal muitas vezes acaba ficando mais importante que sua obra.E é o valor dela que a gente gostaria de resgatar nesseespetáculo." Para um homem refinado e espirituoso como Wilde, amiséria e a solidão da prisão, onde só tinha acesso a uma folhade papel por dia para escrever, representavam um sofrimentomuito grande. "O que o salvava era a imaginação", argumentaVázquez. E é sobre esse contraste, entre a aridez da prisão e aexuberância da imaginação de Wilde que o diretor realiza suaconcepção para De Profundis. A minuciosa iluminação - e ogrupo é reconhecidamente talentoso na utilização desse recursocênico - contribui para a percepção das três prisõessuperpostas. Em sua dramaturgia, Cabral tomou ainda a liberdade de"inventar" um encontro entre Douglas e Wilde, na prisão, quenunca ocorreu. "Tudo se passa como se fosse um sonho dele." Amontagem conta com nove atores, entre eles Cabral, e aparticipação especial de Dulce Muniz.Serviço - De Profundis. De Ivam Cabral. Direção Rodolfo GarcíaVázquez. Duração: 70 minutos. De quinta a sábado, às 21 horas;domingo, às 20 horas. R$ 5,00 (único, quinta)e R$ 15,00. Espaçodos Satyros. Praça Franklin Roosevelt, 214, centro de São Paulo,tel. 3258 6345. Até 28/7

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.