Sony Music/Divulgação
Sony Music/Divulgação

Das cinzas do Oasis

Estado ouve CD da nova banda de Liam Gallagher, Beady Eyes, e conversa com o rock star das encrencas

Jotabê Medeiros, O Estado de S.Paulo

17 de fevereiro de 2011 | 00h00

Chega no dia 28 às lojas o disco de estreia da banda Beady Eye, que vem a ser o novo grupo de Liam Gallagher, ex-Oasis. Ele e o irmão, Noel, quebraram o pau em 2009 e desde então nem se veem mais. Different Gear, Still Speeding (Sony Music) vem precedido de grande expectativa. Vazou na internet esta semana e a conclusão parece unânime: é melhor do que todo mundo pensava.

O álbum é produzido por Steve Lillywhite, que fez trabalhos fundamentais de Morrissey (Vauxhall and I, Southpaw Grammar e Maladjusted), U2 (Boy, October e War) e The Pogues (Fairytale of New York), entre outros.

Os singles do disco do Beady Eye, Bring the Light e The Roller, já estão entre os mais ouvidos no Reino Unido, e sua turnê pela Inglaterra vendeu todos os ingressos em 30 minutos. Suas músicas mostram que as velhas predileções dos irmãos Gallagher - as harmonias dos Beatles, as baladas de Lennon, o rock acelerado e a paixão pelos anos de ouro do pop britânico prosseguem. "Não vejo a hora de levar esse show até o Rio de Janeiro", disse Liam Gallagher, falando ao Estado por telefone, na terça-feira.

O Beady Eye é como se fosse uma sucursal do Oasis. Além de Liam, tem três ex-integrantes da banda, Gem Archer, Andy Bell e Chris Sharrock. Antes da entrevista, Liam fez jornalistas assinarem documentos se comprometendo a não fazer perguntas sobre seu irmão Noel e seu relacionamento. Mas o fato é que adora falar sobre o fraterno desafeto.

"Temos algumas músicas, subimos no palco e tocamos e cantamos. Estamos muito animados, não porque pensamos que seria uma oportunidade de mostrar a todo mundo que não precisamos de você-sabe-quem (Noel Gallagher), mas sim porque estamos fazendo música."

Noel, quando deixou a banda, fez circular um comunicado curto: "Eu simplesmente não posso trabalhar com Liam nem mais um dia sequer". O irmão não o perdoa por ter largado uma turnê no meio. "Ele estava agindo como uma vovó caduca durante a turnê, e achava que eu era um banana", disse Liam. A ruptura foi dura: trocaram sopapos e quebraram guitarras durante show para 40 mil pessoas no Rock en Seine Festival, em Paris.

No último verão inglês, o Beady Eye entrou no RAK Studios de Londres e gravou 13 canções em seis semanas. Contém músicas que carregam o melhor DNA do Oasis, como a pesada Standing on the Edge of the Noise.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.