Daniella Cicarelli vai processar Globo, iG e YouTube

A modelo e apresentadora da MTV Daniella Cicarelli vai processar as Organizações Globo, o Internet Group (iG) e o site YouTube. Daniella entrou com a ação na terça-feira na 23.ª Vara Cível de São Paulo em função do vídeo produzido pelo paparazzo Miguel Temprano e postado na segunda-feira no YouTube, que mostrava imagens quentes da modelo com o namorado Renato Malzoni. As imagens foram veiculadas na internet pela Globo e pelo iG. Cuidam do caso da modelo os advogados Pedro Brunig Doval e Rubens Decoussau Tilkian.O site YouTube, de origem norte-americana, pode ser processado no Brasil e se tiver sucursal aqui será notificado no País, mas, caso não tenha, será necessário o pedido de uma carta rogatória, segundo explicou ao Portal Estadão Rony Vainzof, sócio da Opice Blum Advogados e especialista em Direito Eletrônico. Questionado sobre o que Daniella alega no processo contra a Globo, o iG e o YouTube, Vainzof disse não ter tido acesso à ação em si e acha possível que a modelo processe o autor do vídeo e a TeleCinco, canal da televisão espanhola que exibiu o material, pois "houve uma montagem e, mesmo estando em uma praia, havia expectativa parcial de privacidade". Enquanto isso, a coluna "Persona" do Estado publicou nesta sexta-feira que o contrato que Daniella tinha com a Tim, mantido até então "na geladeira" por conta de sua conturbada separação do jogador de futebol Ronaldo, foi definitivamente rompido. O motivo seria o polêmico vídeo. A assessoria da Tim divulgou um comunicado negando que o rompimento do contrato tenha relação com o episódio.Foi divulgado também que a modelo não vai mais ser a garota-propaganda da General Motors do Brasil. A assessoria de imprensa da GM afirmou que o fim do contrato não está de maneira alguma relacionado com o vídeo. De acordo com a assessoria, o contrato já estava previsto para ser encerrado em setembro e tudo não passa de uma "mera coincidência". Matéria alterada às 16h20

Agencia Estado,

22 de setembro de 2006 | 13h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.