Dadaísmo e Surrealismo ganham mostra em São Paulo

Na semana em que será inaugurada a 26.ª Bienal da São Paulo, o Instituto Tomie Ohtake abre amanhã a mostra Sonhando de Olhos Abertos - O Dadaísmo e o Surrealismo na Coleção de Vera e Arturo Schwarz, que já passou por Curitiba. A exposição, mais uma das diversas que acontecem na cidade no circuito paralelo ao da Bienal, é uma rara oportunidade para o público conhecer de perto obras e artistas que mudaram a arte no século 20. A mostra está divida em seis núcleos: Dadá; Marcel Duchamp e Man Ray; Mouvement Flou; Precursores; Surrealismo; e A Biblioteca, traz 240 trabalhos de 100 artistas, entre colagens, fotos, pinturas, desenhos, gravuras e esculturas, e é a mais abrangente exposição sobre Dadaísmo e Surrealismo já realizada no Brasil, com obras da Coleção Vera e Arturo Schwarz, abrigadas no Museu de Israel, em Jerusalém. O destaque da exposição são 75 trabalhos de dois importantes nomes da arte, Marcel Duchamp e Man Ray. Há ainda obras de outros artistas, como Francis Picabia, Jean Arp, e Max Ernst, além de surrealistas, como Joan Miró, Joseph Cornell, Meret Oppenheim, Wifredo Lam, Remedios Varo, Yves Tanguy, e do poeta e crítico André Breton, um dos fundadores do movimento.Sonhando de Olhos Abertos - O Dadaísmo e o Surrealismo na Coleção de Vera e Arturo Schwarz - No Instituto Tomie Ohtake, Avenida Faria Lima, 201 (Entrada pela Rua Coropés), Pinheiros. Telefone: 6844-1900. Abertura amanhã, às 20 horas. De terça a domingo, das 11 às 20 horas. Grátis. Até 21 de novembro

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.