Dá o Play | Podcasts de literatura (3): 'Papo Tatuí' e 'Sertões: Histórias de Canudos'

Dá o Play | Podcasts de literatura (3): 'Papo Tatuí' e 'Sertões: Histórias de Canudos'

Parcela independente do mercado editorial traz seu espírito inovador para os podcasts; série documental sobre 'Os Sertões' permanece atemporal

Guilherme Sobota, O Estado de S. Paulo

21 de julho de 2020 | 03h00

A pandemia acertou em cheio diversas áreas da cultura, mas, no mercado editorial, a nova crise se sobrepôs à outra, anterior, bastante acentuada por problemas nas grandes livrarias. Dito isso, a parcela independente da cadeia de produção de livros traz o seu espírito inovador – inventar maneiras de produzir e vender, afinal, sempre foi uma necessidade para essas casas – também para o podcast.

Um dos programas criados neste período de isolamento é o Papo Tatuí, mais uma iniciativa do pessoal da Lote 42, editora e espécie de hub cultural no bairro da Santa Cecília, em São Paulo. Com a supressão dos contatos físicos dos eventos que a Lote promovia na Banca Tatuí, o novo podcast serve para discutir os diversos assuntos que rodeiam o universo do livro e do mercado independente, mas da maneira criativa que marcou a produção anterior da empresa. De sonhos à colocação das editoras menores no “futuro” do mercado do livro, o podcast recebe convidados para papos bastante conectados com o espírito do tempo.

Em um dos episódios, o mercado de livros amanhã, o editor da Lote 42, João Varella, conversa com o colega da Barbatana, Paulo Verano, sobre os possíveis caminhos da cadeia comercial do livro no futuro pós-pandemia. “Talvez a pandemia venha a ruir as grandes estruturas das redes de livrarias, que já estavam sofrendo chacoalhões antes do chacoalhão ser modinha”, diz Varella. Um palpite é que o mercado se fragmente, até se assemelhando ao cenário dos anos 1980, em que as lojas eram em grande parte negócios de família, mais simples.

Em outro episódio, a editora Cecília Arbolave conversa com a artista visual Sirlanney, autora do livro Magra de Ruim – como o isolamento social é algo com o qual a artista já estava acostumada mesmo antes da pandemia, ela consegue dar preciosas dicas para artistas e escritores que estão em situação parecida, mas que ainda não conseguiram colocar planos em prática.

Feito antes da pandemia, considerado um dos melhores podcasts de 2019, Sertões: Histórias de Canudos, da Rádio Batuta, é escrito e apresentado por Guilherme Freitas. O programa ganha atemporalidade não só pela retratação equilibrada da história que Euclides da Cunha contou em Os Sertões, atemporal por si só, mas também pelo zelo com a produção do podcast e o investimento criativo no formato do programa, outros diferenciais. Em cinco episódios de aproximadamente 30 minutos, a série mistura reportagem, história, entrevistas, debates e leituras do livro, e o podcast serve como um documentário sobre um dos livros mais lembrados da literatura brasileira.

É interessante notar como diversos podcasts de literatura trabalham para colocar o leitor em contato com o texto. A forma mais usada é a leitura por um ator ou uma atriz, como numa comovente participação de Antônio Pitanga num programa da revista Quatro Cinco Um, o 451 MHz, já citado neste espaço. Outras formas menos elaboradas, porém – como o podcast Presidente da Semana fez em 2018, colocando colegas jornalistas para “interpretar” as figuras históricas. Esse é um exemplo de como os produtores de podcasts de literatura podem buscar novos formatos para atrair mais ouvintes e, claro, mais leitores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.