Cyro Monteiro ensina a cantar o legítimo samba

Não é à toa que se conquista o respeito no meio musical de nomes tão distintos como Nelson Cavaquinho e Vinicius de Moraes. Intérprete de primeira, Cyro Monteiro foi conquistando seu espaço na Rádio Mayrink Veiga ainda na década de 1930. Naquele período de ouro, cruzava nos corredores com os maiores cantores que já existiram no País. Só pelo convívio, o aprendizado era inevitável. Eram nomes como Carmen Miranda, Francisco Alves e Mario Reis. Em um belo exemplo de resgatar tesouros da música nacional, a EMI garimpou o baú da antiga gravadora Copacabana e, entre as maravilhas lá registradas, encontrou e agora relança Meu Samba, Minha Vida, de Cyro Monteiro, preservando a ficha técnica e os textos originais da contracapa, assinados por Reynaldo Dias Leme e Ismael Corrêa. No repertório, Cyro ensina interpretar o samba com o molho e o tempero que o gênero exige, com destaque para Saquinho de Dinheiro, Tristezas Não Pagam Dívidas, Decisão e Jambete. Para completar, ele ainda é acompanhado por nomes como Dino (violão 7 cordas), Meira (violão de 6), Canhoto (cavaquinho), Raul de Barros (trombone) e Chiquinho (acordeom).

Lucas Nobile, O Estado de S.Paulo

27 de agosto de 2011 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.