Curadores unidos por uma bienal mais política

Mostra quer exemplificar como a arte gera conhecimento sobre o mundo

Camila Molina e Maria Hirszman / ESPECIAL, O Estado de S.Paulo

02 de junho de 2010 | 00h00

Equipe. Stela Barbieri, Heitor Martins, Sarat Maharaj, Agnaldo Farias, Yuko Hasegawa, Chus Martinez, Rina Carvajal e Moacir dos Anjos  

 

A Fundação Bienal de São Paulo anunciou ontem os nomes dos artistas convidados a participar da 29.ª edição do evento, que ocorrerá entre 25 de setembro e 12 de dezembro. Com 148 participantes e orçamento de R$ 30 milhões, a mostra, este ano, terá uma dimensão três vezes superior à da 28ª Bienal, de 2008. E parece ter superado a crise financeira e institucional dos últimos anos.

Veja também

Veja a lista completa de todos os participantes da Bienal

Reiterando que o tema central da exposição será a relação entre arte e política - representada pelo verso do poema de Jorge de Lima Há Sempre Um Copo de Mar para Um Homem Navegar -, Moacir dos Anjos, que divide a curadoria com Agnaldo Farias, afirmou que a intenção não é reforçar um entendimento já consolidado e produzido por outras áreas, mas "mostrar como a arte gera conhecimento sobre o mundo".

Outro ponto importante destacado durante a entrevista coletiva foi a ênfase dada pelo projeto à produção artística brasileira e latino-americana. "Isso é fruto do entendimento de que não nos conhecemos muito bem", acrescentou Moacir dos Anjos. Na lista, cerca de um terço dos participantes é de nacionalidade brasileira.

Mesclando artistas contemporâneos a figuras históricas, a mostra vai tentar recuperar uma "linhagem que não foi suficientemente iluminada", estabelecendo nexos entre criadores como Flávio de Carvalho (1899-1973) e Oswaldo Goeldi (1890-1961) com jovens produtores contemporâneos do Brasil e do exterior. Essa seleção foi feita com o auxílio dos curadores convidados, a espanhola Chus Martinez, o angolano Fernando Alvim (que não esteve presente no anúncio); a venezuelana Rina Carvajal; o indiano Sarat Maharaj; e a japonesa Yuko Hasegawa.

Herdeiros. Há um especial enfoque na produção dos anos 1960-70, período em que a arte estava em íntima relação com a política, com a presença de uma geração que inclui Hélio Oiticica, Lygia Pape, Antonio Dias e Carlos Zílio, entre outros. Lygia Clark teve sua presença cancelada anteontem por causa de desentendimentos com os herdeiros da artista.

Além dos 148 artistas anunciados ontem, a Bienal, este ano, terá ainda seis núcleos temáticos do qual participarão artistas e intelectuais e onde ocorrerão atividades variadas nos campos da linguagem, música, poesia, cinema, performances e discussões sobre problemas da metrópole.

São eles: O Outro, O Mesmo, desenvolvido pelo arquiteto Carlos Teixeira; A Pele do Invisível, a cargo do esloveno Tobias Putrih; Dito, Não Dito, Interdito, criado por Roberto Loeb e Kboco; Eu Sou a Rua, planejado por UN Studio, de Amsterdã; Longe Daqui Aqui Mesmo, produzido por Marilá Dardot e Fábio Morais; e Lembrança e Esquecimento, de autoria de Ernesto Neto (este será um espaço para descanso). A programação desses espaços será diária e anunciada posteriormente.

Brasileiros em destaque

Albano Afonso

Alice Miceli

Amelia Toledo

Anna Maria Maiolino

Antonio Manuel

Artur Barrio

Carlos Vergara

Cildo Meireles

Efrain Almeida

Ernesto Neto

Gil Vicente

Henrique Oliveira

José Spaniol

Leonilson

Marcelo Silveira

Matheus Rocha Pitta

Miguel Rio Branco

Mira Schendel

Nuno Ramos

Paulo Bruscky

Rochelle Costi

Rosangela Rennó

Sara Ramo

Tatiana Blass

... E uma seleção de estrangeiro

Ai Weiwei (China)

Alfredo Jaar (Chile)

Allan Sekula (EUA)

Anri Sala (Albânia/Alemanha)

Apchatpong Weerasethakul (Tailândia)

Carlos Garaicoa (Cuba)

Chantal Akerman (Bélgica)

David Goldblatt (África do Sul)

Eduardo Navarro (Argentina)

Emily Jacir (Palestina)

Francis Alys (Bélgica/México)

Harun Farocki (Alemanha)

Ilya Kabakov (Rússia)

Jacobo Borges (Venezuela)

Joseph Kosuth (EUA)

Marlene Dumas (África do Sul)

Marta Minujin (Argentina)

Miguel Angel Rojas (Colômbia)

Nan Goldin (EUA)

Steve McQueen (Inglaterra)

Superstudio (Itália)

Tacita Dean (Inglaterra)

Wilfredo Prieto (Cuba)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.