EDUARDO NICOLAU/ESTADÃO
EDUARDO NICOLAU/ESTADÃO

Cultura

-A direção está preocupada com as críticas ao baixo nível cultural da nossa programação. Sugeri que se fizesse adaptações de clássico da literaturas, como Guerra e Paz.

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S. Paulo

17 Julho 2016 | 02h00

– Com Tony Ramos como Napoleão, se a Globo o largar. Boa ideia.

– Mas ninguém gostou, na reunião. Hasteei a ideia e não bateram continência. Atirei contra a parede e não colou. Acharam que seria uma novela muito cansativa. Sugeri uma série, em 6 capítulos.

Guerra e Paz em seis capítulos fica “Escaramuça e trégua”. 

– Também acharam que o livro tem muitos personagens. Russos demais, para o horário. Fiquei deprimido, logo agora que meu analista está fazendo sonoterapia.

– O que você acha de Shakespeare?

– Acho que tem futuro.

– Não, digo: adaptações de Shakespeare. Hamlet, com algumas modificações.

– Que modificações, por exemplo?

– Sempre achei a cena do cemitério muito mal resolvida. A caveira do Yorick poderia ter uma fala.

– É preciso ter cuidado com as adaptações. Lembra do que disseram da nossa produção sobre Roma Antiga só porque César se despediu dos senadores com um “tchau geral”?

– Outra coisa: a Marcinha sempre foi louca por fazer Ofélia. Ela só precisaria cuidar do sotaque carioca.

– É, ela também já me disse que sonha em fazer Ofélia, principalmente a cena do balcão.

– Não há nenhuma cena de balcão em Hamlet.

– A gente insere. Vou levar sua ideia para a direção, atirar no chão e ver se eles dançam em volta.

– O único problema de Hamlet é a violência. No fim, morre todo o mundo, inclusive os câmeras. Haja ketchup. Na nossa versão, Hamlet não morre no final. Sobrevive para herdar o trono. A mãe e o tio também sobrevivem e ganham uma embaixada no exterior. Pensando bem, a única pessoa que morre na nova versão é a Ofélia, que se atira do balcão.

– O crânio do Yorick também pode voltar no final para dizer algumas piadas.

– Isso. Já estou pensando nos contratos que se poderá fazer com os patrocinadores. Hamlet está cheio de possibilidades de “tie-ins” e “spin-offs”, ou, em bom português, merchandising.

– A cultura triunfa!

Mais conteúdo sobre:
Cultura Crônica Hamlet

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.