Culto a celebridades é vício para 10% da população

Em cada dez pessoas, uma é "viciada" em celebridades. É o que sugerem pesquisadores de universidades em Orlando e Springfield, nos Estados Unidos. De acordo com o trabalho, um terço das pessoas sofre em algum grau de uma certa Síndrome de Adoração de Celebridades. Cerca de 10% desenvolvem uma obsessão tal que podem ser levadas à depressão, ansiedade e psicose. Uma em cem pessoas chega ao limite da patologia. Nesse último grupo, estão as pessoas que perseguem as celebridades e que não medem esforços nem danos em nome do ídolo.A pesquisa foi desenvolvida por Lynn McCutcheon, da DeVry University de Orlando, Flórida, e James Houran, da Southern Illinois University, em Springfield. Eles estudaram o comportamento de cerca de 600 pessoas e classificaram sua dependência a celebridades. O resultado foi publicado pela Scientific American.O estágio mais leve da doença inclui pessoas que acompanham a vida das celebridades por entretenimento. Aqui entram os fãs que conhecem todos os detalhes da vida de seu ídolo. Já classificado como uma disfunção, este tipo de culto a celebridades atinge uma em cada cinco pessoas. Embora considerada leve, esta disfunção já inclui pessoas mais propensas à ansiedade e depressão. O estágio seguinte é o do vício. A adoração, neste ponto, ganha uma maior intensidade e é diagnosticada como uma dependência. Aqui está 10% da população, que acredita poder desenvolver algum relacionamento pessoal com a celebridade. Finalmente, no nível mais avançado, 1% da população chega ao limite da patologia. Neste caso, o culto a celebridades implica atitudes perigosas e comportamento criminoso. As informações são do Ananova.com.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.