CRÔNICA DE UMA GUERRA SUJA

A Hora Mais Escura, de Kathryn Bigelow, estreia como um dos melhores do ano

LUCIA GUIMARÃES, NOVA YORK, O Estado de S.Paulo

16 de dezembro de 2012 | 02h12

Não há controvérsia sobre o poder de A Hora Mais Escura (Zero Dark Thirty) como narrativa cinematográfica. Já destacado nas listas de melhores do ano, o novo filme de Kathryn Bigelow estreia em Nova York e Los Angeles na quarta-feira e tudo indica que a primeira mulher a ganhar um Oscar de direção por Guerra ao Terror, em 2010, vai passar parte do inverno americano frequentando cerimônias de premiação. A Hora Mais Escura conta a história da caçada e assassinato de Osama Bin Laden, o líder da Al-Qaeda responsável pelo massacre de 11 de setembro de 2001.

A ação, e conte com a diretora e seu roteirista Mark Boal para nos manter reféns da narrativa eletrizante, se desenrola do ponto de vista de um grupo de agentes da CIA, especialmente a protagonista Maya, vivida por Jessica Chastain. Todos os personagens são baseados em agente reais, entrevistados por Boal que, antes de escrever o roteiro de Guerra ao Terror, passou os anos pós-11 de Setembro cobrindo o Afeganistão e o Iraque, integrado às tropas em zonas de guerra. A agente Maya começa a carreira depois do atentado e, nos dez anos seguintes, é consumida pela única missão de encontrar Bin Laden.

Kathryn e Mark Boal estavam num escritório de Los Angeles, na noite de 1o de maio de 2011, trabalhando na produção de outro filme: a história do fracasso na captura de Bin Laden em Tora Bora, no Afeganistão, em dezembro de 2011, quando foram surpreendidos pelo anúncio dramático do presidente Barack Obama: Osama Bin Laden tinha sido encontrado e morto por um comando dos Navy Seals numa cidade do Paquistão. Em choque, os dois demoraram um pouco a abrir mão do projeto inicial e atacar a nova história, num período em que os fatos ainda estavam sendo revelados e grande parte da informação era catalogada.

Mas se A Hora Mais Escura atraiu unanimidade como cinema, já divide críticos pela maneira como apresenta a tortura que a diretora e o roteirista têm insistido em citar pelo eufemismo cunhado pela CIA, "interrogatório reforçado". O filme abre com uma sequência de vozes sobre a tela escura. São gravações reais de telefonemas de pessoas que estavam prestes a morrer nas Torres Gêmeas. A cena seguinte mostra a sessão de tortura de um dos detentos numa prisão secreta da CIA. Ele apanha, é forçado a rastejar com uma coleira de cachorro, passa por afogamento e uma série de humilhações. A tragédia das torres seguida da cena de tortura é uma declaração de cumplicidade com uma rotina da era Bush, que teve seu ponto final por ordem de Barack Obama? Diretora e roteirista têm afirmado que apenas fizeram jornalismo em filme.

Na semana passada, em Manhattan, numa das várias sessões de exibição do filme para críticos, jornalistas e eleitores de prêmios de cinema, Bigelow mal aparentava a exaustão de quem emergia da maratona de montagem de A Hora Mais Escura. De perto, é difícil acreditar que esta mulher esguia e elegante nasceu há 61 anos. Acompanhados dos excelentes atores Jessica Chastain, Jason Clarke e Jennifer Ehle, Bigelow e Boal responderam às perguntas da plateia seleta, sob a condição de que nada fosse gravado em imagem ou áudio.

Não precisei de aparelho para registrar o elefante no auditório. Nem uma só pergunta tocou na questão da tortura. Esta semana, o Comitê de Inteligência do Senado deve votar na divulgação de um relatório da investigação sobre o finado programa de tortura da CIA. Um programa, que, segundo a líder do comitê, senadora Dianne Feinstein, não foi decisivo na descoberta do esconderijo de Bin Laden.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.