Cronenberg e a Palma de Marcel Camus

Três Ninjas: Uma Aventura

LUIZ CARLOS MERTEN, O Estado de S.Paulo

26 de novembro de 2011 | 03h08

Radical

15H30 NA RECORD

(3 Ninjas). EUA, 1992. Direção de Jon Turteltaub, com Victor Wong, Max Elliot Slade, Michael Treanor, Chad Power, Rand Kingsley, Alan Mcrae.

Três garotos se envolvem numa investigação do FBI sobre sequestros e chegam a pensar que o pai de um deles é sequestrador. O diretor Turteltaub funde artes marciais e infância. O filme, pequeno, foi comprado pela Disney e, com o aval da distribuidora, virou um grande êxito comercial. Reprise, colorido, 100 min.

Mar de Açúcar

19 H NA CULTURA

Brasil, 2002. Direção Ricardo Miranda.

A história do açúcar e de como foi incorporado, por influência portuguesa, à culinária do Brasil. Reprise, colorido, 56 min.

Looney Tunes - De Volta à Ação

21H15 NO SBT

(Looney Tunes: Back in Action). EUA, 2003. Direção de Joe Dante, com

Brendan Fraser, Steve Martin,

Timothy Dalton, Jenna Elfman.

Engenhosa mistura de animação e live action, em que dupla de humanos (Brendan Fraser e Jenna Elfman) tenta resgatar para o estúdio, a Warner, os astros de Looney Tunes, que foram despedidos. A técnica é prodigiosa e o diretor Dante, como de hábito, recheia seu fiapo de história com citações e referências, muitas delas tão cifradas que se arriscam a não serem assimiladas. Quem curte o estilo dele se di-verte. Reprise, colorido, 90 min.

Feminices

22H15 NA CULTURA

Brasil, 2004. Direção de Domingos de Oliveira, com Priscila Rozenbam, Cacá Mourtlé, Clarice, Dedina Bernadeli, Clarice Niskie e Domingos de Oliveira.

Domingos de Oliveira tem feito militância, nos últimos anos, de um jeito de produzir cinema - o BOAA, filmes de baixo orçamento e alto astral - que funciona muito bem para ele, mas dificilmente poderia ser imposto a todo o cinema nacional. Nem seria o caso, porque o bacana é justamente a diversidade. É o que se pode e deve lembrar quando volta, na TV, o filme com que Domingos fala de seu assunto preferido, as mulheres. Desde Todas as Mulheres do Mundo, com a lendária Leila Diniz, de 1967, elas estão sempre no centro das preocupações do autor. Aqui, ele se debruça sobre quatro atrizes na faixa dos 40 anos, investigando sua vida afetiva e profissional. A apresentação coincide com a estreia, nos cinemas, do belo documentário, Domingos, que a também atriz, Maria Ribeiro, estreando como diretora, dedica ao cineasta. Reprise, colorido, 72 min.

Orfeu Negro

22H30 NA TV BRASIL

(Orphée Noir). França, Itália e Brasil, 1959. Direção de Marcel Camus, com Breno Mello, Marpessa Dawn, Lourdes de Oliveira, Léa Garcia, Ademar da Silva, Waldemar de Souza.

A peça de Vinicius de Moraes, com aquela trilha de Antônio Carlos Jobim e Luiz Bonfá, ganhou a Palma de Ouro em Cannes - no ano da erupção da nouvelle vague. Isso valeu ao francês Camus o ódio generalizado de diretores no Brasil e na Europa. Nos EUA, o garoto Spike Lee ficou

tão impressionado com o que viu que se decidiu a virar cineasta.

A trama transpõe os mitos de Orfeu e Eurídice para o morro (e o carnaval) do Rio. Se você não quiser se arriscar a gostar, pode fechar os olhos e somente ouvir as canções - Manhã de Carnaval, A Felicidade, etc. Em 1999, 40 anos depois, Cacá Diegues fez o remake, que não é muito melhor. Reprise, colorido, 100 min.

Diamante de Sangue

23H15 NO SBT

(Blood Diamond). EUA, 2006. Direção de Edward Zwick, com Leonardo

DiCaprio, Jennifer Connely, Djimon Hounson, Jimi Mistry.

No ano em que Martin Scorsese ganhou o Oscar por Os Infiltrados, Leonardo DiCaprio, astro do filme, estava melhor na pele do mercenário que se envolve com o nativo Djimon Hounson, em Sierra Leone. O cara encontrou um diamante raro (e valiosíssimo) e vira alvo de uma ca-çada humana. O diretor Zwick transforma o que poderia ser

só uma aventura movimentada em carnificina sem fim, o que força o público a escancarar os olhos para a brutalidade de colonizadores e colonizados na África. Reprise, colorido, 138 min.

Marcas da Violência

23H25 NA GLOBO

(A History Of Violence). EUA, Alemanha, 2005. Direção de David Cronenberg, com Viggo Mortensen, Maria Bello, Ed Harris, William Hurt.

A primeira parceria de Viggo Mortensen com o diretor Cronenberg é ótima, mas as seguintes, Os Senhores do Crime e Uma Terapia Perigosa, são ainda melhores. Mortensen possui lanchonete. Um dia, confrontado com dupla de assaltantes, reage com violência e o caso ganha repercussão na TV, o que levanta a pergunta - quem é, na verdade, esse homem? Um filmaço que discute identidade, sexo, organização social, tudo com muita força (e estilo). Reprise, colorido, 96 min.

Por Trás Daquele Beijo

1H30 NA BANDEIRANTES

(Prelude To a Kiss). EUA, 1992. Direção de Norman Rene, com Alec Baldwin, Meg Ryan, Kathy Bates, Ned Beatty, Patty Duke, Stanley Tucci.

Alec Baldwin cai de amores por Meg Ryan, casam-se e já na lua de mel ele se dá conta de que a mulher não é quem pensava que fosse. Comédia romântica que se distancia dos clichês do gênero e toma rumos inesperados, o que é sempre curioso. Reprise, colorido, 105 min.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.