Crítica precisa ao machismo das próprias mulheres

Primeiro filme realizado por uma diretora saudita, é, já pela simples existência, um pequeno ato de insurreição

O Estado de S.Paulo

06 de maio de 2013 | 02h04

Filmes como Wadjda cercam-se de um interesse prévio, que vai além do campo cinematográfico. Primeiro filme realizado por uma diretora saudita, é, já pela simples existência, um pequeno ato de insurreição. A surpresa é que Wadjda se sustenta mesmo sem essas benéficas circunstâncias exteriores. É um trabalho simples, porém preciso, sobre a opressão das mulheres na sociedade islâmica. Não necessita de favor nenhum para ser julgado bom filme.

Wadjda é o nome da garota, vivida por Waad Mohammed, que, como qualquer adolescente, tem seus gostos e rebeldias. Mas o que pensa e o que deseja ser entram em confronto com as limitações de uma sociedade fechada. O interessante, aqui, é que não se trata da ótica preconceituosa ou etnocêntrica de alguma artista ocidental, mas da visão interna da diretora Haifaa Al Mansour. Ela sabe do que fala. E, dessa forma, transmite verdade à história da menina que deseja uma bicicleta e vê em sua mãe um protótipo da posição subalterna reservada às mulheres. Haifaa trabalha com duas gerações e seus problemas interligados. Não deixa de notar que a opressão ao gênero feminino é algo tão culturalmente enraizado que, numa sociedade machista, muitas vezes são as próprias mulheres as mantenedoras desse status quo desfavorável. Simples, o filme não passa por cima desta complexidade. / L.C.M.

JJJJ ÓTIMO

JJJJJ BOM

O Sonho de Hadjda (Hdjda). Arábia Saudita, 2012. Direção de Hafiaa al-Mansour. Veja salas no Guia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.