Crítica e público em lados opostos

De um lado, ídolos teen, bons vendedores de CDs e donos de hits descartáveis, como as bandas Restart e NX Zero e a sertaneja Paula Fernandes; de outro, artistas com trabalho mais consistente, com menos investimento de gravadoras e, consequentemente, menor exposição midiática, caso de Marcelo Camelo, Marcelo Jeneci, Tulipa Ruiz e MoMo.

Roberta Pennafort / RIO, O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2011 | 00h00

As escolhas do público e do júri formado por dez críticos de música, todos convocados a votar na 18.ª edição do Prêmio Multishow, transmitida terça-feira pelo canal, ratificaram o antigo dogma: habitualmente, quantidade e qualidade não andam juntas.

Foi a primeira vez que jurados foram chamados para eleger os melhores cantores, música, grupo e novidade. A decisão se deveu justamente ao desejo de tornar o prêmio menos passional, evitando que só o gosto de jovens internautas fosse impresso. Dividido em dois, ele se diversificou, mas expôs suas contradições. Resta saber se a curiosidade com o novo foi aguçada.

"O júri dá uma nivelada melhor. O Brasil é NX Zero, mas também é Tulipa, Jeneci", dizia MoMo, na saída. "Ganhei pelo público, tem um gostinho diferente. Mas assim fica mais democrático", opinava a revelação Monique Kessous, cujos dois CDs foram bem avaliados pela crítica.

"Já ganhei pela melhor música dos dois jeitos, e um não exclui o outro. Foi uma surpresa, nem sabia que estava indicado na categoria", contou Jeneci. "A gente vence o preconceito todo dia por causa do amor dos fãs", agradeceram, no palco, os integrantes do Restart, que saíram com dois troféus, como o NX Zero e Paula. Em entrevista anterior, Pe Lanza, o vocalista, já havia declarado que seus fãs passavam a noite em claro votando, porque "não aceitam perder". Esta edição teve mais de 14 milhões de votos.

Kitsch, inspirada na TV dos anos 80, a cerimônia, que teve números musicais focados em sucessos do passado, com participação de Pitty, Ivete Sangalo e Zeca Pagodinho, foi conduzida pelo debochado Bruno Mazzeo, que encarnou Chacrinha, Silvio Santos, Gugu e Xuxa e evoluiu ladeado por rebolativas chacretes, suas "brunetes".

OS ELEITOS

Voto popular

Cantor: Di Ferrero (NX Zero)

Cantora: Paula Fernandes

Grupo: Exaltasamba

Música: Onde Estiver (NX Zero)

"Experimente": Garotas Suecas

CD: Day By Day (Restart)

Instrumentista: João Barone

(Paralamas do Sucesso)

Voto do júri

Cantor: Marcelo Camelo

Cantora: Tulipa Ruiz

Música: Felicidade (Marcelo Jeneci)

Grupo: Holger e Copacabana Club

"Experimente": Criolo, MoMo e Nevilton

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.