Cristo Redentor ganha elevador

O passeio ao Cristo Redentor será amenizado por escadas rolantes e elevadores panorâmicos. O monumento mais visitado do Rio ficará livre de 220 degraus a partir de março do ano que vem, quando a obra estará concluída. Hoje, o ministro do Meio Ambiente, José Sarney Filho, o prefeito César Maia e empresas que vão financiar o projeto assinaram o convênio para a instalação dos elevadores e escadas rolantes, ao custo de R$ 6 milhões. "Não apenas idosos e deficientes físicos serão beneficiados pelo acesso mecanizado, mas todos aqueles que não são atletas. Poucos conseguem chegar inteiros ao Cristo depois de tantos degraus", disse o prefeito César Maia, durante a cerimônia. A torre do elevador e as escadas rolantes não vão atrapalhar a paisagem nem a visão do Cristo. A instalação dos equipamentos - pintados de verde - foi projetada para ficar camuflada atrás de árvores, na parede norte do monumento. Serão instalados três elevadores, com capacidade para 13 passageiros. Pelas quatro escadas rolantes podem transitar 9 mil pessoas por hora - as escadas têm sistema que interrompe o funcionamento quando ninguém utiliza o serviço. Patrocinam o projeto Banco Real, Gerdau, Otis Elevadores e Fundação Roberto Marinho. Racionamento - O ministro Sarney Filho disse que não considera inoportuno o início das obras em junho - coincidindo com o início do plano do governo federal para racionamento de energia. "Vivemos uma circunstância, um momento emergencial. E as ações não são feitas para o momento. A crise é passageira", afirmou. "O Cristo deveria inclusive ser tratado com excepcionalidade, porque essa é uma referência nacional", afirmou. A prefeitura espera aumento de 50% das visitas ao Cristo - hoje cerca de 50 mil pessoas vão ao local todos os meses. O que for arrecadado com o aumento de visitantes será destinado para a conservação do Parque Nacional da Tijuca, onde fica o monumento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.