Cristal, novela do SBT, ganha império de luxo

O que há de mais importante no mundo hoje além da moda? Nada, a se julgar pelas novelas que estão no ar. Tomar o poder nos impérios do luxo Belíssima e Luxus é o que move as principais novelas da Globo. É nas dependências dessas ?empresas?, sediadas em Belíssima e Cobras e Lagartos, que se desenrola a maioria dos encontros, conflitos, a ascensão de alguns e a queda de outros.Há duas semanas, esses templos do glamour ganharam uma nova vizinha, a Maison Vitória. A confecção de ?alta-costura? é dos cenários principais da novela Cristal, um texto da cubana Delia Fiallo, adaptado por Anamaria Nunes e dirigido pelo veterano Herval Rossano, que tem registrado 7 pontos de média no Ibope (Grande São Paulo), às 19 horas. O SBT adora a cubana. Este é o terceiro drama assinado por Delia que exibe: o primeiro foi Topázio, em versão importada da Venezuela, e Esmeralda, uma produção nacional com a atriz Bianca Castanho como protagonista, hoje a Cristal que dá título à nova novela.Da mesma maneira que Bia Falcão torceu o nariz para a linha popular de lingeries Lindona em Belíssima, Madame Girot (Martha Mellinger), braço direito da poderosa Vitória (Bete Coelho), se indigna quando a patroa diz que quer investir no prêt-à-porter. ?O que vão achar nossas clientes da alta-costura??, pergunta aflita.Trata-se de uma história de Cinderela. Cristina, que adotará o nome de Cristal quando ficar famosa, cresceu em um orfanato porque sua mãe (Vitória) a abandonou quando bebê por não ter como criá-la. A avó da criança e patroa de Vitória adolescente - uma mulher tão má quanto a madrasta da Gata Borralheira - expulsa-a de casa ao saber que ela está grávida do filho. Sem saber de nada, o rapaz vai para o seminário e se torna padre. Meio Scarlett O´Hara (de E O Vento Levou...), Vitória jura dar a volta por cima. Ela consegue riqueza, prestígio e uma família, mas sofre de remorso por ter abandonado a filha. A ?órfã? se tornará a top model da Maison Vitória e até o final da novela vai comer o pão que o diabo amassou nas mãos da própria mãe! Como todas as novelas, a trama de Cristal é sustentada por uma teia de intrigas e de segredos, desencontros amorosos que só serão resolvidos no altar e no último capítulo. Vitória é uma versão B de Bia Falcão, que também desconhece o paradeiro do filho que teve na juventude. Assim como Ellen e Leona, de Cobras e Lagartos, Inocência (Bárbara Paz) é a arrivista que só pensa em se dar bem na vida por meio do casamento e não perde a chance de botar para baixo os pretendentes que não têm onde cair mortos. A diferença está no acabamento. Da abertura aos diálogos, da maquiagem ao figurino, é tudo muito SBT. Vitória relaxa da vida agitada dentro de uma banheira de espuma acompanhada do marido Alex (Giuseppe Oristânio). A banheira - junto com champanhe e caviar - é um dos maiores símbolos de riqueza em novela, não é? A decoração do apartamento de solteiro do garanhão João Pedro (Dado Dolabella) é tão descontraída quanto showroom de loja de móveis populares. O pudor da protagonista é digno do Direito de Nascer: ?Eu não sou dessas que você está pensando.? Mas nada se equipara à performance de Dado na abertura da novela. Por causa de um acerto contratual, o público do SBT é obrigado a aturar uma desafinação e uma pobreza poética sem-fim já quando começam os capítulos. Isso sim é de doer.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.