Crianças criam maquete da cidade ideal

Para Ludimila Bernardo da Silva, de 9 anos, da ONG Projeto Arrastão, uma cidade ideal é a que não tem violência nem poluição. Ao seu lado, Angélica dos Santos, de 14 anos, diz que uma montanha de neve no centro da cidade seria o ponto de encontro de amigos, todos habitantes dessa cidade utópica. As duas participam do ateliê que a representação espanhola na 5.ª Bienal Internacional de Arquitetura e Design montou no prédio da Fundação Bienal. Lá, 56 crianças de três entidades brasileiras criam uma grande maquete de uma cidade, projeto a ser exposto no evento que se inaugura no domingo. Desde o dia 1.º e até sexta-feira, as crianças das ONGs Gol de Letra, Centro Cultural Vila Prudente e Projeto Arrastão chegam de ônibus fretados ao Parque do Ibirapuera e, sempre das 14 às 17 horas, integram a oficina.Trabalham divididas em sete grupos, cada um deles orientado por um arquiteto espanhol. O projeto, educacional, tem como objetivo incitar a "participação da criança no desenho tanto da cidade quanto do governo", diz Cesar Muñoz Jimenez, diretor pedagógico do Casa 10, como foi intitulado o projeto. "É um exercício de cumplicidade entre arquitetos e meninos, prática de convivência", declara Teresa Sandoval, responsável pela implantação da iniciativa nesta Bienal. O governo da Espanha investiu 200 mil euros no projeto, que também tem ligação com o Instituto Tomie Ohtake - que representa o Brasil na parte educativa - e a Fundação Abrinq, responsável pela participação das entidades de comunidades carentes. Ana Maria Wilheim, superintendente da Abrinq, diz que essas três ONGs foram escolhidas porque "são entidades que trabalham com arte-educação e que têm crianças e jovens". Ao mesmo tempo, alunos do Colégio Cervantes participam voluntariamente do projeto, ajudando na tradução entre o espanhol e o português.O projeto que foi originalmente idealizado para ser implantado em Barcelona. Para o Brasil, o Casa 10 foi adaptado. No grupo do arquiteto Javier Peña, por exemplo, cada uma das crianças se pensou como personagem e na maquete - feita com objetos de madeira e coordenada pelo arquiteto Emile Padros - o grande ponto é definir as localidades do que foi enumerado pelas crianças. Como organizar os prédios e lugares na cidade? A escola ao lado da praia, a prefeitura vizinha do centro cultural, o cemitério bem longe de tudo. O curador da representação espanhola, Enric-Ruiz Gelli, foi quem escolheu os sete arquitetos para o ateliê. É ele também o responsável pelo projeto que a Espanha vai mostrar no Pavilhão da Bienal de Arquitetura, intitulado 28 Sementes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.