Criador de Frank & Ernest morre aos 81 anos

Morreu no último dia 1.º, de problemasrespiratórios, no Mary Hospital de Torrance, Califórnia, ocartunista americano Bob Thaves. Sua filha Sara comunicou asua morte apenas neste domingo. Thaves, criador da famosa tira "Frank & Ernest", tinha 81 anos. O Caderno 2 do Estado, publica sua tira mais famosa diariamente, desde 1972. Robert Lee Thaves nasceu em 5 de outubro de 1924 em Burt Iowa, onde seu pai, John, era editor de jornais locais. O paimorreu quando ele tinha 13 e a mãe, enfermeira, passou asustentar a casa. Durante a 2.ª Guerra, o artista serviu naEuropa na 89.ª Divisão de Infantaria. Ao voltar, retomou osestudos e formou-se em psicologia - trabalhou anos comoconsultor de psicologia industrial antes de se tornar cartunistaem 1972."Eles adoram Frank e Ernest porque eles estão simultaneamente acima de tudo e abaixo de tudo." Ele contava que foi durante um jantar em família querevelou a idéia de desenhar uma tira sobre dois sujeitos queviveriam em tempos e espaços indistintos. No fim dos anos 60, jádesenhava "Frank & Ernest", cuja popularidade cada vez maior foiassim definida por ele: "Eles adoram Frank e Ernest porque elesestão simultaneamente acima de tudo e abaixo de tudo." Iconoclasta, irreverente, a dupla Frank & Ernest épublicada em cerca de 1,3 mil jornais ao redor do mundo e é lidapor cerca de 25 milhões de pessoas por dia, segundo divulgou aUnited Media, que distribui a tira via Newspaper Enterprise Assn Os nomes refletem as personalidades: Frank é mais aberto ecândido e Ernest é mais genuíno e sincero. Ganhou três prêmiosReuben e também o Mencken Award. Nas tiras, o artista examinava pequenas frustrações davida cotidiana, com tiradas de humor das situações comuns. Efazia referências ao próprio trabalho como desenhista. Numadeterminada tira, Frank & Ernest estão olhando para a nuvem deestrelas numa noite clara. Ernest pergunta: "Isso tudo não tefaz pensar sobre o sentido das coisas no universo? "Ao que Frankrespondia: "Não, eu já tenho trabalho suficiente para arrumaruma história todo dia.""Ele só queria divertir com graça", diz comunicado da mulher e filhos "Ele não defendia um ponto de vista ou visava a umpúblico específico - ele só queria divertir com graça", diz ocomunicado da mulher e dos dois filhos. "Nós acolhemos Frank &Ernest desde o seu início e eles têm sido fonte de momentosmaravilhosos para nosso família." Curiosamente, em junho de 2000, os personagensprotagonizaram uma curiosa encrenca no Brasil. A Ordem dosAdvogados do Brasil, seção São Paulo, recebeu uma reclamação deum advogado integrante da instituição dizendo que Frank & Ernesttinha incorrido em uma ofensa à categoria. Os personagens eramcitados na ação como "requeridos", o que implicava que ospróprios cartuns teriam de se defender, e não o artista. O alvo da OAB era uma tira publicada pelo Jornal daTarde na época, na qual Frank dizia: "Eu não me importaria de aJustiça ser cega, se os cachorros-guias não fossem todosadvogados." Frank se referia ao primeiro quadrinho, em queaparece a personificação da Justiça na antigüidade romana (aestátua vendada, com uma espada em uma das mãos e, na outra, umabalança). Thaves também criou outros personagens, como King Baloo,nos anos 80, com Scott Stantis - que anunciou a intenção defazer um tributo ao parceiro para ser publicado em sua tira nodia 10 de setembro. Como um tributo final ao desenhista, afamília dele - a mulher, Katie, a filha Sara e o filho Tom -colocou no seu website (http://www.frankandernest.com) uma tirade 1998, na qual Ernest perguntava a Frank: "O que você gostariaque escrevessem no seu epitáfio?" E Frank responde: "Continua nopróximo capítulo..."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.