Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Criação de grupo já surpreende

Formado por alunos da Emesp, Grupo Contemporâneo faz concerto de nível

O Estado de S.Paulo

20 de novembro de 2012 | 02h07

A Camerata Aberta já gerou um filhote - eis uma grande notícia deste fim de ano. O Grupo Contemporâneo Emesp nasceu há nove meses, coordenado pelo pianista Horácio Gouveia, integrante da Camerata e foca estudantes de música da Emesp e de outras escolas. Não há outro modo de se disseminar a prática da música contemporânea.

Anteontem realizaram sua segunda apresentação pública, no auditório da Fundação Maria Luísa e Oscar Americano, com surpreendente qualidade de execução - acompanhada pela "regência" de cabeça de Horácio.

Um repertório articulado deixou atento e interessado o bom público que quase encheu a pequena sala da Fundação na manhã ensolarada do domingo. Cismas, da carioca Marisa Rezende, foi a única peça brasileira.

Em seguida, o primeiro tributo ao alemão Hans Werner Henze, morto semanas atrás: em seu trio Monólogos e Diálogos para piano, viola e violão, cada um se expõe longamente; depois, dialogam entre si.

A clarinetista Paula Pires brilhou na versão curta da peça solo Arlequim, de Stockhausen, que exige movimentação cênica e corporal, além da execução de uma partitura tecnicamente complexa (exige até respiração circular).

A parte final foi dedicada a obras de Olivier Messiaen que privilegiam o canto dos pássaros que amava, a ponto de afirmar: "Gosto do folclore humano, mas me perdoem, os pássaros são muito melhores e mais diversificados. Cada espécie tem estética, estilo e timbre próprios. Eles são nossos pequenos servidores de alegria imaterial".

Cássia Carrascoza, da Camerata Aberta, solou, com Horácio ao piano, O Melro Negro. Débora Falcão (violino), Rafael Caboclo (cello), Patrícia de Carli (piano) e Paula Pires (clarineta) interpretaram quatro das oito partes do Quarteto para o Fim do Tempo. O destaque ficou com Débora em longas passagens com notas sustentadas (Louvor à Imortalidade de Jesus) e para Paula, às voltas com harmônicos e pianíssimos complicados em Abismo dos Pássaros.

Um concerto de nível, com raros deslizes, provou o acerto da criação deste grupo, que promete surpreender em 2013.

Crítica: João Marcos Coelho

JJJJ ÓTIMO

JJJ BOM

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.