Cozinha para todos os gostos

Para quem não é fã incondicional dos sabores do Oriente, restaurantes paulistanos bolaram menus que misturam cozinha japonesa ? pouco tempero, shoyu, frutos do mar, peixe cru ? e Ocidental, principalmente a italiana ? risotos, raviólis, espaguetes à carbonara e outros clássicos. Antenado com a nova tendência, o italianíssimo La Vecchia Cucina promove o "Encontro Gastronômico a Quatro Mãos" e combina os quitutes do chefe Sergio Arno aos de Tsuyoshi Murakami, do Kinoshita, restaurante fundado em 1995 na Rua da Glória, no coração da Liberdade. Massas, polentas, mandioquinha e até a pesada picanha ganham o toque exótico de ingredientes como o shiitake, o óleo de gergelim e a mostarda. Em pratos como o ravióli de lula e água viva ? ao molho agridoce com pernas de lulas e acelga japonesa ? e o tagliata ao molho de tomate, azeite, aspargos e mel.O cardápio especial reúne 4 entradas, 9 pratos principais e sobremesas, entre as quais o pudim de laranja com creme de azuki e molho de gengibre. ?Sem contar as criações que podemos inventar na hora?, diz Arno. ?O prazer da descoberta de novos sabores é muito interessante para nós?, completa Murakami. A parceria de Oriente com Ocidente é uma novidade para os freqüentadores do La Vecchia, mas já é comum para os do Kuroshio. Neste restaurante, o chefe Kenji Sakamoto e seu sócio Iwao Takimoto fazem um mix da culinária japonesa com a francesa. ?A globalização foi nossa inspiração para a mistura. O toque dos temperos é japonês, mas a apresentação dos pratos é à moda francesa?, diz Sakamoto. Pra lá de sutis, os pratos parecem agradar mesmo aos menos afeitos à crueza dos pratos nipônicos. Algumas das receitas que o Kuroshio oferece são: entrada de Cream Stew, uma sopa cremosa à base de leite com batatas, cogumelo shimeji, brócolis, frango e, como prato principal, o gratinado de kani ao molho branco com shiitake. Na badalada Rua Amauri, a casa costuma receber muitas personalidades, como a jornalista Glória Maria, os atores Claúdia Raia e Edson Celulari entre outros, ?O que menos tem aqui são japoneses?, brinca o chefe. Mistura pouca é bobagem no recente restaurante Japengo. Em vez de misturar a comida japonesa só com a italiana ou a francesa, o chefe Edison Chirayama junta os três tipos. ?Esse cruzamento de sabores, na verdade tem uma madrinha, a Renata Braune (chefe e consultora do Le Chef Rouge). Ela que me incentivava e dava idéias?, confessa Chirayama. Aberto desde abril no Jardim Paulistano, a alquimia do composto ?nipo-ítalo-francês? já tem clientes de carteirinha, como a advogada Paula Martins Frederico, 25. ?Venho ao Japengo desde a inauguração e adoro a leveza dos pratos daqui?, aconselha. Não é à toa que as receitas são tão fáceis de digerir. Segundo o chefe, sua maior preocupação é a saúde do freguês. ?Eu me preocupo com a qualidade dos ingredientes, com as vitaminas que estou inserindo no prato, com o teor calórico. As verduras e vegetais que utilizo não tem agrotóxicos. Uso pouco sal, açúcar, óleo. Retempero o shoyu para diminuir o salgado, lavo o arroz várias vezes para tirar o excesso de amido?, conta Chirayama, que quase virou médico. ?Estudei por dois anos na Santa Casa.?Para não perder o controle sobre essa seleção de produtos, o mestre-cuca conta com a ajuda do senhor Okatama. ?Um japonezinho de 75 anos que fica de olho na despensa para que não falte nada?, define o cozinheiro.Os cuidados não param por aí. Edison Chirayama não só é o chefe como o administrador do Japengo e não perde a chance de passar algumas tardes no Ceasa pesquisando preços e novidades do mercado. ?Apesar de eu ter um fornecedor próprio de horti-fruti-granjeiros, gosto de saber quanto estão custando as mercadorias?, esclarece ele, que parou a Medicina para estudar Administração. Algumas sugestões da casa são o frango euronipo, frango karague com berinjela ao molho balsâmico (R$ 23), e a sobremesa tempurá de sorvete (R$ 8). Para quem ainda não se convenceu a experimentar qualquer quitute com ares do Japão, há outro festival de misturas de cozinhas. Neste fim de semana, o Le Coq Hardy, especializado em pratos franceses, está promovendo uma degustação de massas marcando a parceria do italiano Giuseppe Falconio com o chefe brasileiro José Pereira. Passando apenas uma temporada no Brasil, Falconio é especializado na culinária da região de Abruzzo e, por isso, é o maior representante da gastronomia italiana regional. Para quem quiser conferir, algumas sugestões do Le Coq são o penne com funghi, pimentão, lingüiça e tomate, e o linguine com pedaços de cordeiro, salmão e cenoura. La Vecchia Cucina - R. Pedroso Alvarenga, 1088. Tel: 881-7942 Kuroshio - R. Amauri, 286. Tel: 881-3519 Japengo - R. Mário Ferraz, 32. Tel: 3816-2180 Le Coq Hardy - R.Jerônimo da Veiga, 461. Tel: 852-3344

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.