Pixabay
Pixabay

Covid me fez desacelerar. E agora?

Mensagens podem esperar para ser respondidas e selfies em redes sociais não fazem falta

Luciana Garbin, O Estado de S.Paulo

05 de maio de 2022 | 03h00

E então, depois das vacinas e de dois anos usando máscaras e adotando protocolos de segurança, eu peguei covid-19. Felizmente com sintomas leves durante o período de isolamento, mas seguido de uma leseira sem tamanho. Semanas depois de o teste dar reagente, a sensação de lentidão e fadiga continuava grudada em mim e me dei conta de algo aterrorizante para uma mulher-mãe-profissional: não conseguia mais fazer várias coisas ao mesmo tempo. O que poderia ser mais dramático para alguém que acorda todo santo dia com uma lista de pendências? 

Sabe aquela rotina que muitas mulheres conhecem de cozinhar, olhar a lição do filho e falar com a mãe no telefone ao mesmo tempo? Virou coisa do passado após a covid. E responder rapidamente às dezenas de demandas que aparecem num só dia? Esquece. Depois que o corpo me obrigou a entrar numa espécie de câmera lenta, fui obrigada a fazer algo impensável até pouco tempo atrás: desacelerar.

E precisei adotar estratégias. Para começar, desativei notificações. Também parei de ver mensagens que chegam sem parar no WhatsApp. Por alguns dias, dei um passo ainda mais ousado: resolvi abandonar o celular fora do trabalho e trocar tempo resolvendo problemas por minutos no sol sem fazer nada.

Decidi também resistir bravamente à tentação da culpa por não atender às expectativas. Como assim não querer tirar braço de ferro com o filho? Ou pedir delivery de novo? Ou estar sem vontade de falar? Ou ver a casa bagunçada e não sair arrumando tudo? Dane-se, estou sem força, respondia a mim mesma.

Claro que era esquisito ter de baixar o ritmo de repente, mas a covid me fez constatar que a meta assumida diariamente – sobretudo por mulheres – de dar conta de tanta coisa não é sustentável. E quer saber? Cheguei à conclusão de que boa parte dos compromissos é cancelável, muitas mensagens podem esperar horas – ou dias, ou meses – para ser respondidas e selfies de quase desconhecidos em redes sociais não fazem falta.

Quando é preciso escolher a dedo como gastar sua preciosa energia, priorizar vira questão de sobrevivência, assim como reconhecer que faz parte da vida não estar 100%. A despeito do coronavírus, cansaço é uma praga social – e o excesso de exigências e autoexigências tem boa parcela de responsabilidade nisso. 

Para mim, quando os incômodos vestígios da covid finalmente sumiram, o desafio se tornou não esquecer das reflexões suscitadas. E, de algum jeito, continuar pegando mais leve.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.