Coutinho e o dia (sem fim)da marmota

Doze É Demais

LUIZ CARLOS MERTEN, O Estado de S.Paulo

02 de fevereiro de 2012 | 03h09

15H50 NA GLOBO

(Cheaper by the Dozen). EUA, 2003. Direção de Shawn Levy, com Steve Martin, Bonnie Hunt, Piper Perabo, Tom Welling, Hilary Duff, Kevin

Schmidt.

Embora anunciado oficialmente como um remake de Papai Batuta, de Walter Lang, de 1950, esta comédia não tem nada a ver com o filme antigo. Steve Martin e Bonnie Hunt fazem os pais amorosos de 12 filhos - 12! Mudanças profissionais na vida de ambos levam a família a passar por duras provas. A empatia da dupla principal salta da tela e o filme agradou tanto ao público que teve direito a uma sequência. Reprise, colorido, 115 min.

Plástico: Ascensão e

Queda de Um Milagre

23 H NA CULTURA

(Addicted to Plastic). Canadá, 2008. Direção de Ian Connacher.

Em 1958, pouco antes de fazer a obra-prima Hiroshima, Meu Amor, Alain Resnais realizou o documentário Le Chant du Syrène, antecipando o impacto que o plástico teria nos hábitos de consumo nos anos e décadas seguintes. Exatamente 50 anos mais tarde, o plástico, como agente poluidor da natureza, virou o vilão neste outro documentário do canadense Connacher. Interessante. Reprise, colorido, 51 min.

Paragem no Tempo

0H30 NA TV BRASIL

Brasil, 2009. Direção de Carolina

Berger.

Minas do Camaquã, no interior do Rio Grande do Sul, surgiu com a promessa de abrigar uma grande jazida de cobre. Quando o metal desapareceu, a cidade perdeu a identidade, os jovens a abandonaram em busca de oportunidades. A diretora Carolina Berger investiga o tempo a partir do que é (quase) uma cidade fantasma. Uma afirmação que se torna necessária - a TV Brasil está se transformando em importante parceira do cinema de invenção brasileiro. Os dois grandes vencedores da recente Mostra Aurora, em Tiradentes, são documentários feitos com apoio da emissora - A Cidade É Uma Só?, de Adirley Queirós, e HU, de Pedro Urano e Joana Traub Cseko. Reprise, Colorido, 52 min.

TV Paga

Bem-Vindo

16H15 NO TELECINE CULT

(Welcome). França, 2009. Direção de Philippe Lioret, com Vincent Lindon, Firat Ayverdi.

Professor de natação ajuda garoto curdo que quer atravessar o Canal da Mancha para se encontrar com a namorada, na Inglaterra. Um dos mais belos filmes franceses dos últimos tempos. E um evento também político. Embora o diretor Lioret quisesse apenas contar uma história 'humana', o público ficou tão motivado e o debate que se seguiu ao lançamento foi tão intenso que Bem-Vindo mudou uma lei muito repressiva e que punia quem ajudava imigrantes clandestinos na França. Reprise, colorido, 110 min.

Edifício Master

16H35 NO CANAL BRASIL

Brasil, 2002. Direção de Eduardo

Coutinho.

Ao longo de sua extraordinária carreira, Eduardo Coutinho tem se reinventado muitas vezes. Esta foi uma das vezes em que isso ocorreu. O filme sobre os moradores de um prédio em Copacabana é feito de entrevistas, com personagens que se abrem diante da câmera, em conversa com o diretor. O ângulo é sempre o mesmo, o tipo de apartamento também o mesmo. Mudam a decoração e os personagens. Quando o sujeito solta a voz para cantar My Way, você se dá conta de que as canções já estavam havia muito no cinema do autor. Depois disso, só mesmo (re)vendo As Canções nos cinemas. Reprise, colorido, 100 min.

Meu Melhor Companheiro

20H20 NO TELECINE CULT

(Old Yeller). EUA, 1957. Direção de Robert Stevenson, com Dorothy

McGuire, Fess Parker, Jeff York, Chuck Connors, Tommy Kirk.

A história de um menino e do cão que o adota. No começo, o garoto não quer saber do animal, mas ele salva sua vida, protege sua família e os dois terminam se tornando inseparáveis. A produção da Disney ostenta a fama de ser o melhor filme sobre a ligação entre crianças e cães, segundo Leonard Maltin em seu guia. O diretor Stevenson tornou-se o mais eficiente artesão do estúdio nos anos 1960, assinando êxitos memoráveis como Mary Poppins, que deu o Oscar para Julie Andrews. Reprise, colorido, 83 min.

Especial

Feitiço do Tempo

NO TCM

(The Groundhog Day). EUA, 1993. Direção de Harold Ramis, com Bill Murray, Andie MacDowell, Chris Elliott.

A ausência de horário junto ao nome da emissora não é nenhuma falha de informação. Pegando carona no próprio filme de Harold Ramis, o TCM vai exibir o dia inteiro, ininterruptamente, a comédia que virou cult. Bill Murray faz repórter de TV que vai a cidadezinha do interior para fazer uma reportagem. Todo ano, o comportamento da marmota, nesse dia específico, indica como será o inverno nos EUA. Mas o herói fica preso numa falha do tempo e o dia se repete. Seu desafio é romper o ciclo e também resolver a confusão em que virou sua vida. Sutis mudanças acompanham o desenvolvimento da história e Murray está melhor do que em Encontros e Desencontros, de Sofia Coppola, pelo qual concorreu ao Oscar. Reprise, colorido, 103 min.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.