Country perde uma lenda trágica como a sua arte

Admirado por colegas, influência de gerações, teve problemas com drogas e falências, mas era um artesão da música

JOTABÊ MEDEIROS, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2013 | 02h08

Morreu ontem nos Estados Unidos, aos 81 anos (faria 82 em setembro), o cantor e compositor George Jones, um dos mais importantes da história da música country. O intérprete do clássico He Stopped Loving Her Today (canção de 1980 considerada em sucessivas eleições de críticos especializados uma das maiores canções country), tinha sido internado com problemas de pressão sanguínea, segundo informou sua assessoria.

Lenda do estilo honky tonk, Jones influenciou diversas gerações de vários gêneros, de Garth Brooks a Randy Travis, de Tim McGraw a Beck, de Frank Sinatra a Pete Townshend, passando por Elvis Costello e James Taylor. Ao ouvir sobre sua morte ontem, em conversa com o Estado, o cantor Brendan Benson, parceiro de Jack White nos Raconteurs, ficou chocado. "Tem certeza que ele morreu? Deus, que triste notícia. Foi uma das minhas grandes influências!", afirmou. "O mundo pode ter perdido o maior cantor country que já viveu", disse Merle Haggard. "Ele foi um dos maiores que já viveram", disse Loretta Lynn.

George Glenn Jones teve uma vida atribulada, pontuada pelo alcoolismo, uso de drogas e problemas com a Justiça. Como Tim Maia, seu apelido era George No-Show, pelo número de "canos" que dava em concertos em que o esperavam inutilmente (em 1979, consta que faltou a mais de 50 shows nos Estados Unidos). Também o chamavam de Possum (Gambá), por causa do nariz afilado e dos olhos pequenos. Nasceu em Saratoga, Texas, filho de um motorista de caminhão, e iniciou a carreira aos 9 anos. Cantava na igreja Pentecostal e também para caminhoneiros.

Entre seus grandes hits, figuram White Lightning (1959), She Thinks I Still Care (1962) e We're Gonna Hold On (1973), gravada com sua mulher na época, a estrela country Tammy Wynette (com a qual viveu uma aventura amorosa e musical semelhante à de Johnny Cash e June Carter). Três dos duetos que Jones fez com Tammy Wynette (We're Gonna Hold On, Golden Ring e Near You) foram hits número um nas paradas de sucesso.

She Thinks I Still Care, que George Jones gravou e foi um tremendo sucesso em 1962, acabou se tornando um dos últimos sucessos gravados por Elvis Presley (era uma composição de Mark James). White Lightning, hit country n.º 1 em 1959, precisou de 83 gravações para ser efetivado, porque Jones estava bastante embriagado no estúdio durante a sessão.

"Enquanto George ficou conhecido por seus dias selvagens e loucos, eu o conheci 25 anos antes como um amigo", afirmou o cantor Alan Jackson. "Ele foi um bom homem de verdade. É claro, ele sempre será o melhor cantor e intérprete da country music real - nunca haverá outro."

Ele gravou um dueto com Ray Charles, em 1983, We Didn't See a Thing. No ano seguinte, gravou o disco Ladie's Choice, duetos com as vozes femininas de Loretta Lynn, Brenda Lee e Emmylou Harris.

Era amplamente admirado entre os confrades da música, que tentaram levantá-lo a vida inteira. James Taylor compôs Bartender's Blues para ele. Em 1979, já tinha sido objeto de um tributo, o disco My Very Special Guests, que contava com nomes como Willie Nelson, Linda Ronstadt, Elvis Costello e Emmylou Harris.

Jones casou-se inúmeras vezes, a primeira delas com Dorothy Bonvillion, quando tinha apenas 17 anos. Em 1979, declarou falência pessoal e teve de vender toda a sua obra gravada para pagar os credores. Seu empresário foi preso por vender cocaína. No mesmo ano, ele foi obrigado judicialmente a se tratar durante 30 dias num centro de reabilitação, mas logo que saiu se entregou de novo ao álcool e à cocaína.

Obviamente, seu estilo autodestrutivo acabou por tirá-lo do centro nervoso onde a música acontecia nos Estados Unidos. "Nem mesmo sabem quem eu sou aqui no centro de Nashville", disse o músico recentemente. Sua vida certamente será filmada em breve. Alguém disse que George Jones foi para a música country o que Aretha Franklin representou para a soul music. Parece que estava certo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.