Corte britânica autoriza extradição de Assange, do WikiLeaks

A Suprema Corte da Grã-Bretanha decidiu nesta quarta-feira que o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, pode ser extraditado para a Suécia por supostos crimes sexuais, mas deu a ele duas semanas para tentar reabrir o caso.

REUTERS

30 de maio de 2012 | 07h38

Sete juízes na mais alta corte do país rejeitaram por uma maioria de 5 a 2 a alegação de Assange de que o mandado de prisão europeu contra ele era inválido.

Duas cortes menores já haviam determinado que ele deveria ser extraditado.

Promotores suecos querem interrogar Assange sobre as acusações de estupro e abuso sexual feitas por duas ex-voluntárias do WikiLeaks.

Assange enfrenta uma longa batalha judicial contra a extradição desde que foi preso na Grã-Bretanha, em dezembro de 2010, pouco após o WikiLeaks ter sido responsável pelo maior vazamento de documentos diplomáticos da história dos Estados Unidos.

(Reportagem de Michael Holden)

Tudo o que sabemos sobre:
GENTEASSANGEEXTRADICAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.