"Correio Braziliense" terá reedição fac-símile

As edições do Correio Braziliense, periódico escrito por Hipólito José da Costa, que registrou de 1808 a 1822 os pensamentos que apoiaram a independência do Brasil, serão reeditadas integralmente. A Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, em uma co-edição com o Instituto Uniemp, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) lança em março o primeiro dos 31 volumes que reúnem os 175 números do jornal, mais um índice e um livro com dados históricos -, que serão lançados mensalmente. O projeto é coordenado pelo jornalista Alberto Dines, editor da revista Observatório da Imprensa, e associado ao jornal Correio Braziliense. As edições serão fac-símiles dos originais cedidos pelo bibliófilo José Mindlin. Até mesmo problemas de paginação, falhas nos caracteres e ortografia originais serão conservados na reedição. Isso se justifica, segundo o presidente da Imprensa Oficial do Estado, Sérgio Kobayashi, pela importância histórica da obra original. Cada volume terá uma tiragem de 500 exemplares em capa dura (que serão distribuídos em bibliotecas e redações) e 3 mil de capa mole destinados à venda. A previsão de Kobayashi é que cada unidade custe por volta de R$ 20. Ele diz que as vendas servirão apenas para cobrir a receita. O investimento no projeto é de R$ 1,5 milhão. Todos os números do Correio Braziliense foram escritos e editados pelo brasileiro da colônia de Sacramento, Hipólito José da Costa, durante seu exílio, em Londres. O jornal não pretendia ser noticioso e, sim, servir de referência político-cultural. A publicação discutia, sob um ponto de vista democrático liberal, os principais assuntos que envolviam politicamente o País: a questão do tráfico e da escravidão, bem como o problema da mudança de capital do Brasil. Por essa ousadia, o Correio Brasiliense chegou a ser proibido no País pela censura-régia. Ainda assim, o jornal teve grande penetração no Rio, Salvador, Recife, Ceará e Porto Alegre e também em Lisboa, Porto e Coimbra.

Agencia Estado,

07 de fevereiro de 2001 | 17h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.