Corpo do cartunista Borjalo é cremado no Rio

O corpo do cartunista Mauro Borja Lopes, o Borjalo, de 79 anos, que morreu ontem após lutar contra um câncer na boca durante seis meses, foi cremado hoje no cemitério do Caju, na zona norte. Sobre o caixão foi colocada uma flâmula do Botafogo, time pelo qual o mineiro de Pitangui torcia. O cartunista, considerado um dos melhores do País, criou a zebrinha que anunciava os resultados da Loteria Esportiva da TV Globo. O corpo do homem que se autodefinia um "poeta do cartum" foi velado no Memorial do Carmo (Caju) desde as 15 horas de ontem. Amigos como os atores Tony Ramos e Milton Gonçalves foram prestar a última homenagem. Durante a cerimônia de cremação, estavam apenas familiares e amigos mais próximos. "Ele era um homem muito especial, amigo de todo mundo. Guardei todos os desenhos dele", disse Cristina Sauer Ferreira, casada com o cartunista por 16 anos. Borjalo ficou internado por seis meses no Hospital Samaritano, em Botafogo, zona sul do Rio. Durante esse período, voltou para casa apenas uma vez, por dez dias. Além de cartunista, trabalhou por vinte anos como diretor da TV Globo, a partir de 1966. Foi ele quem escalou a atriz Lucélia Santos como a protagonista da novela da emissora Escrava Isaura. Borjado deixa dois filhos e dois netos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.