Corpo de poeta Pablo Neruda será exumado por suspeita de envenenamento

Um juiz chileno determinou nesta segunda-feira a exumação do corpo do poeta Pablo Neruda, depois que um ex-chofer dele declarou que o intelectual foi envenenado pela ditadura de Augusto Pinochet.

Reuters

04 de março de 2013 | 19h08

Neruda, famoso por seus apaixonados poemas de amor e por suas posições comunistas, morreu aos 69 anos, em 23 de setembro de 1973, 12 dias depois do golpe de Estado que levou Pinochet ao poder. Oficialmente, a causa foi um câncer de próstata.

Mas Manuel Araya, que foi motorista de Neruda em seus últimos meses de vida, diz que agentes da ditadura se aproveitaram da doença dele e injetaram veneno na sua barriga quando ele estava internado na clínica Santa María, em Santiago.

O poeta, ganhador do Nobel de Literatura, havia sido um grande apoiador do presidente socialista Salvador Allende, derrubado por Pinochet. Seu corpo está sepultado na casa onde ele viveu, na Isla Negra, junto ao túmulo da sua terceira esposa, Matilde Urrutia.

O juiz Mario Carroza determinou que a exumação ocorra na primeira quinzena de abril.

Estima-se que 3.000 pessoas tenham sido mortas por motivos políticos durante os 17 anos do regime de Pinochet.

(Reportagem de Erik Lopez)

Tudo o que sabemos sobre:
GENTENERUDAEXUMADO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.