Corpo de Jorge Amado é cremado

O corpo do escritor Jorge Amado foi cremado hoje à tarde, no Cemitério Jardim da Saudade, em Salvador. Amanhã, as cinzas serão entregues àfamília e, conforme seu desejo, depositadas no pé da mangueira que o escritorplantou na casa do Rio Vermelho, onde residia com a mulher ZéliaGattai.A reabertura da Fundação Casa de Jorge Amado na manhã dehoje, após ter permanecido ontem fechada, em respeito aofalecimento do escritor, levou dezenas de turistas ao local, ajudandoos funcionários a substituir o clima de tristeza pela saudade domentor.Turistas argentinas que conheciam a obra de Amado, como ConsolacionBlanco, aproveitaram a manhã chuvosa de Salvador para conhecero acervo de fotos sobre o escritor, exposto no salão de entrada dafundação e comprar edições em português de livros de Amado. "Eu entendoo português muito bem e é sempre bom ler as histórias contada por essegrande escritor brasileiro, orgulho do seu País", disse. A maranhenseCilene Freitas, também de visita à capital baiana, comprou um exemplarde Dona Flor e Seus Dois Maridos para ser seu companheiro de viagem.Os terreiros de candomblé também estão de luto com a morte de JorgeAmado. No Ilê Axé Opô Afonjá, comandado por Mãe Stella de Oxóssi,grande amiga da família do escritor, haverá um ritual de axexê,despedida fúnebre onde se cultua os eguns (espiritos desencarnados), emhomenagem a Amado. Ele era obá de Xangô, um título honorário, concedidoaos amigos da casa por consentimento das divindades africanas. Jorge Amado, que se dizia ateu, tornou-se com o título um tipo de ministro de Xangô, o orixá da Justiça. Seus amigoscontam que ele cultuava Oxóssi e fazia obrigações, conhecidas nocandomblé como ebós.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.