'Cores' retrata desbotamento de uma geração

É altamente irônico o fato de que Cores, primeiro longa-metragem de Francisco Garcia, seja preto e branco. Afinal, como bem diz o diretor, tudo que falta na vida dos três personagens que compõem esta fábula urbana é cor.

FLAVIA GUERRA, O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2012 | 03h09

Na trama, criada com capricho por Gabriel Campos e Garcia, três jovens, ma non troppo, que já passaram da edulcorada casa dos 20, ainda não (re)começaram a vida aos 40, vivem a fase das ilusões perdidas da casa dos 30. Eles são Luara, Luca e Luiz. Ela, de 30, trabalha em uma loja de peixes ornamentais, namora Luiz e vive em um 'não lugar', um apartamento com vista para a pista do Aeroporto de Congonhas e quer juntar dinheiro para poder fazer uma viagem. Já Luca, 31, é um tatuador que, debaixo da agressividade exibida por suas tatoos, esconde a delicadeza que tem ao tratar a avó, com quem mora no subúrbio. Luiz, 29, vive em uma típica pensão no centro, trabalha em uma farmácia, de onde 'empresta' alguns remédios tarja preta e faz bicos suspeitos com sua moto. Sem grandes ambições ou convicções, passam seu tempo bebendo, fumando e circulando, quase sempre sozinhos, pela cidade.

Longa que fez sua pré-estreia mundial há menos de um mês no Festival de San Sebastian, Cores é preciso ao detectar o mal-estar de uma geração. Pertence à linhagem de filmes feitos para serem, mais que assistidos, sentidos. É genuína a sensação de desbotamento dos sonhos de juventude o que se sente ao ver a cidade retratada em tons de cinza. É o peso de um cotidiano opressor da grande metrópole o que se respira ao ouvir os acordes da trilha sonora densa, que revela também a personalidade de cada um dos amigos. E é sentir as utopias escorrerem pelo ralo o que se conclui ao ver a goteira que pinga insistentemente na cabeça de Luiz ou assistir ao noticiário alarmante sobre as chuvas que castigam São Paulo enquanto o trio a tudo assiste impassível.

Tão irônica quanto a opção pelo p&b é a cena em que Lula discursa na TV sobre o momento de crescimento econômico pelo qual o Brasil passa. "Estes três não acompanham este progresso. São, como nós, filhos da geração de Terra Estrangeira, que cresceu em um País em crise, e agora não sabe onde se situar", contam Campos, de 28, e Garcia, de 32. "Muito do que está no filme foi inspirado em nossos amigos", comentam.

Retrato de uma geração perdida na era do 'pós-tudo', faz diagnóstico preciso dos que se sentem estranhos no paraíso, em eterno descompasso com o próspero Brasil neoliberal. Em tempos de compro, logo existo, Cores é, mais do que tudo, um filme urgente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.