NEON/CJ ENTERTAINMENT
NEON/CJ ENTERTAINMENT

Coreano 'Parasita' é grande vencedor do SAG Awards e reafirma favoritismo para o Oscar

Filme desbancou 'O Irlandês' e 'Era Uma Vez… em Hollywood', que também disputam a estatueta de Melhor Filme

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de janeiro de 2020 | 03h46

"Parasita" infectou oficialmente esta temporada de premiações. O filme coreano de Bong Joon Ho se tornou o primeiro em língua estrangeira a ganhar a maior honra no SAG Awards da Screen Actors Guild nesse domingo, 19, posicionando-se como um candidato legítimo a "1917", favorito do Oscar que acontece no próximo mês. O prêmio de melhor elenco para "Parasita", que superou produções como "Era uma vez em Hollywood" e "O Irlandês", foi surpreendente, mas apenas até certo ponto. A platéia do Shrine Auditorium em Los Angeles comemorou sua vitória com grande aclamação.

Como os atores compõem a maior porcentagem da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, suas seleções costumam servir como prognóstico do que pode acontecer no Oscar. Mas nos últimos dois anos, o filme vencedor do SAG para o melhor elenco não acabou levando o Oscar de melhor filme: "Pantera Negra" no ano passado e "Três anúncios para um crime" em 2018. E o favorito deste ano "1917 ", mais aclamada por suas realizações técnicas, ela não foi indicada ao prêmio.

No sábado, "1917" recebeu a mais alta homenagem do também muito preditivo Producers Union Awards, que em 21 dos últimos 30 anos se alinhou com o eventual vencedor do Oscar de melhor filme. 

Um encontro superou qualquer outro no SAG Awards, quando Brad Pitt e Jennifer Aniston foram premiados e comemoraram suas respectivas vitórias. Pitt se encaminha para receber seu primeiro Oscar pelo papel coadjuvante em "Era uma vez em Hollywood" e acrescentou ao seu status como favorito o prêmio do grêmio de atores. 

Ao longo da temporada de premiações, seus discursos foram cheios de comentários espirituosos e no palco do SAG Awards não decepcionou. Pitt, que disse estar se recuperando de uma gripe, olhou para a estatueta e disse: "Tenho que adicionar isso ao meu perfil do Tinder".

"Vamos ser honestos, foi um papel difícil. O cara usa drogas, tira a camisa e não se dá bem com a esposa", brincou Pitt. "Foi muito louco." Os membros da platéia riram e aplaudiram, incluindo Aniston, sua ex-esposa.

Mais tarde, ela recebeu seu próprio prêmio, de melhor atriz em uma série dramática, por seu trabalho em "The Morning Show", da Apple TV Plus. "O quê!?", ela disse no palco e terminou seu discurso com um reconhecimento ao parceiro de elenco em "Mistério no Mediterrâneo", Adam Sandler, cuja atuação em "Uncut Gems" quase não foi recompensada nesta temporada, apesar de ter recebido muitos elogios dos críticos. "Sua interpretação é extraordinária e sua mágica é real. Eu te adoro", disse ele. Pitt ouviu o discurso de Aniston e depois que a atriz se retirou do palco, eles parabenizaram-se calorosamente por suas primeiras vitórias individuais no SAG.

Juntamente com Pitt, todos os favoritos ao Oscar mantiveram seu ímpeto, incluindo Renee Zellweger, por "Judy: Muito Além do Arco-Íris", Joaquin Phoenix, por "Coringa" e Laura Dern, para "História de um Casamento".

Como previsto, Phoenix ganhou o prêmio de melhor ator. Depois de elogiar cada um dos indicados na categoria, ele concluiu com um reconhecimento ao seu antecessor no papel: "Estou aqui de pé sobre os ombros do meu ator favorito, Heath Ledger", disse Phoenix sobre o falecido ator. 

Laura Dern também solidificou seu status de favorita ao Oscar de melhor atriz coadjuvante com um prêmio SAG. No caminho para o palco, ele abraçou seu pai, Bruce Dern, parte do elenco de "Era uma vez em Hollyood". 

"Phoebe Waller-Bridge adicionou um SAG à sua lista de prêmios depois de receber um Emmy e um Globo de Ouro por "Fleabag". Ela foi premiada como melhor atriz em uma série de comédia. "Tudo isso realmente foi um sonho, e se eu acordar amanhã e descobrir que foi exatamente isso, então obrigado", disse Waller-Bridge. "Foi o sonho mais maravilhoso."

"A Maravilhosa Sra. Maisel" também continuou sua série de vitórias ao ganhar o prêmio de melhor elenco em uma série de comédia pelo segundo ano consecutivo, além de melhor ator em uma série de comédia, por Tony Shalhoub. Mas, ao receber o prêmio de melhor elenco, a atriz Alex Borstein, que interpreta Susie Myerson, amiga e produtora de Sra Maisel, se disse chocada por ter votado em "Fleabag". "Honestamente, isso não faz sentido", disse ela. "'Fleabag' é brilhante." 

Robert De Niro foi o homenageado do ano e recebeu o prêmio das mãoes de Leonardo DiCaprio que, como ele, já atuou em vários filmes de Martin Scorsese. (Ambos aparecerão juntos no próximo filme de Scorsese, "Assassinos da Lua das flores"). O ator de 76 anos de idade foi recebido aplaudido de pé.

De Niro, um crítico feroz de Donald Trump, se referiu ao presidente em seu discurso. "Há o bem e o mal. E existe o bom senso e o abuso de poder. Como cidadão, tenho o mesmo direito que qualquer outra pessoa - um ator, um atleta, qualquer outro - de expressar minha opinião", afirmou. "E se eu tenho uma voz mais forte por causa da minha situação, vou usá-la toda vez que vejo um flagrante abuso de poder".

"Game of Thrones" terminou sua oitava e última temporada com vitórias de Peter Dinklage como melhor ator em uma série de drama, além de um prêmio por seu elenco de dublês. "The Crown" ganhou o prêmio de melhor elenco de uma série dramática. E os dois protagonistas de "Fosse / Verdon" - Michelle Williams e Sam Rockwell - foram reconhecidos por seu trabalho na série limitada. A 26ª edição do SAG Awards foi transmitida ao vivo pela TNT e TBS. /AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.