'Copa Hotel', do GNT: crônica de efeito moral do Rio

As chamadas de Copa Hotel, série que estreia hoje, às 22h30, no canal GNT, prenunciam um certo estereótipo de Copacabana, cenário que conjuga decadência, elegância e sexo. Mas não se engane. A crônica que se desenha nos 13 episódios do enredo nada tem do clichê de Cidade Maravilhosa exacerbado pela TV e pelo cinema. Ao contrário. É um olhar nada afável à bolha imobiliária e moral que a cobiça de alguns setores vêm criando na capital fluminense nessa véspera de Copa e Olimpíada, em que todo mundo acha que pode ficar rico.

AE, Agência Estado

22 Abril 2013 | 09h40

O espanto sobre esse quadro aparece sob o olhar de um quase estrangeiro: Fred (Miguel Thiré), um carioca que retorna à sua cidade após 13 anos no exterior, para participar da missa de sétimo dia do pai e cuidar da venda do único patrimônio da família, o Copa Hotel. A ideia inicial é assinar a papelada e voltar a Londres, mas o garoto se irrita com a pressa do irmão (não sanguíneo), que representa a cobiça do carioca diante de um Rio que está na moda e deve faturar urgentemente como puder, não importa o custo disso para o futuro.

A volta àquele cenário conduz Fred a uma revisita ao passado, às diferenças que o afastaram do pai, à crítica de uma cidade à beira do caos. Bingo: o bom moço desiste de vender o hotel e passa a se empenhar na sua recuperação - sempre cercado de duas belas mulheres: Maria Ribeiro, que interpreta a médica que cuidou do pai moribundo, e Antonia (Fernanda Nobre), atriz paulistana que busca uma chance no Rio.

Com argumento de Giuliano Cedroni, um dos sócios da produtora Pródigo, responsável pela realização da série, e Tatiana Roza, Copa Hotel tem João Paulo Cuenca e Felipe Bragança como roteiristas, com texto final de Mauro Lima, que assina a direção-geral.

"Se, para quem mora no Rio de Janeiro já é chocante o preço que as coisas estão ganhando, imagina para quem morou 13 anos fora?", pergunta Cuenca, filho de argentino, que viaja com frequência ao país vizinho e passou seis meses fora do Brasil no ano passado. Isso, acredita, lhe propicia uma relação de amor e ódio com a cidade. "A gente quis fazer essa crônica não só financeira ou imobiliária da cidade, mas do comportamento, dessa ideia de visão de grandeza, desse deslumbre, dessa fantasia que muitas vezes se divorcia dessa cidade maravilhosa que você vê no infográfico do jornal, nos planos imobiliários e que não tem correspondente na vida real", fala. "Acho que o Rio de Janeiro está vivendo uma visão esquizofrênica total. Ela (a cidade) não é, mas sonha que é."

No primeiro episódio, Fred ouve de um amigo que o terreno do hotel do pai deve valer, por baixo, uns R$ 20 milhões. Ele não acredita. O irmão, Luís Otávio (Luca Bianchi), defende que a hora de vender é essa. "Isso não é uma bolha", diz, "é um aneurisma, isso vai explodir a qualquer momento".

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
GNTCopa Hotel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.