Imagem Luis Fernando Verissimo
Colunista
Luis Fernando Verissimo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Controles

A cada novo massacre reinaugura-se nos EUA outra discussão sobre como controlar a venda e o uso criminoso de armas

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S. Paulo

16 de maio de 2019 | 04h30

A foto é do Bolsonaro, rindo. Ele e os que o cercam estão festejando a assinatura do decreto que libera a importação e amplia o mercado de armas no Brasil. Bolsonaro tem todo direito de estar rindo na foto. O decreto ainda não passou pelo Congresso, receberá adendos, talvez poucas das cláusulas que hoje alegram o presidente sobrevivam. Mas as relações do Planalto com o Legislativo começaram mal, o governo recém-inaugurado já sente um cheiro de rebeldia no ar, e qualquer vitória – mesmo precária – é bem-vinda. Ainda por cima, mexer com a acessibilidade das armas foi uma das promessas mais ressonantes da campanha do Bolsonaro.

Ele também pode estar rindo porque, supostamente, tem a massa com ele. 

Nas fotos da assinatura do projeto das armas, muitos dos presentes aparecem fazendo o gesto que se tornou uma espécie de sinal do movimento, o dedo indicador estendido e o dedão levantado, formando o “L” de Lula Livre. Não, bobagem. Formando o símbolo de uma nação armada, inclusive com armas como metralhadoras para acertar bandido, ou presumível bandido, de cima, sem risco para o governador. 

Quase ao mesmo momento em que os “Ls” eram cerimoniosamente sacados no Brasil, no Estado do Colorado, Estados Unidos, outra escola era atacada, com vítimas infantojuvenis, como já é tétrica rotina naquele país. Reinaugura-se lá outra discussão sobre como controlar a venda e o uso criminoso de armas por nenhuma outra razão senão o prazer de matar. É um debate sem fim que se repete a cada novo massacre. Organizações como a National Rifle Association, que representam a indústria de armamentos, têm conseguido impedir que o controle tenha consequência há muitos anos e milhares de mortos. Bolsonaro deve convidar a NRA para seminários, se o seu sonho se realizar. 

A abrangência do plano do Moro para as armas era menor e menos demente. Por isso o Moro anda com essa cara de o que eu estou fazendo aqui, meu Deus? 

Tudo o que sabemos sobre:
Jair Bolsonaroarmaataque a tiros

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.