Contículos 3

O avião sacudiu e o homem pegou a mão da mulher sentada ao seu lado.

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S.Paulo

15 de abril de 2012 | 03h10

- Desculpe - disse o homem. - É que eu...

- O senhor tem medo de voar, é isto?

- É. Na verdade, medo não. Pavor.

O homem continuava apertando a mão da mulher. Ela disse:

- Acalme-se. Foi só uma sacudida.

O avião deu outra sacudida. O homem gemeu e pediu:

- Você pode me abraçar?

A mulher relutou, mas concordou. Envolveu o homem nos seus braços.

- Obrigado - disse o homem. - Era o que a mamãe fazia, quando eu era garoto e nós viajávamos de avião.

- Pronto, pronto - disse a mulher. - Está tudo bem.

Outra sacudida.

- Eu posso agarrar o seu seio? - pediu o homem.

- Meu seio?!

- Para me lembrar da mamãe. Vai me dar mais segurança.

- Pode - disse a mulher, abrindo a blusa para o homem segurar seu seio.

Nisso ouviu-se a voz da aeromoça avisando que era para apertarem os cintos de segurança porque o avião estava entrando numa zona de turbulência.

- Ai meu Deus - disse o homem. E para a mulher: - Comece a tirar a roupa!

***

Metade. Fazia tempo que o Gordo Mário não aparecia no bar. A turma estranhava. Que fim levara o Gordo Mário? Na certa, gordo daquele jeito, tivera um enfarte. O que seria uma pena. O Gordo Mário era um grande companheiro. Divertido. Sempre alegre. Sempre cheio de histórias. Não podia ter morrido. Era tão popular e tinha tantos amigos que, se tivesse morrido, todos já saberiam. E o Gordo Mário realmente não tinha tido um enfarte e morrido. Tanto não tinha que um dia reapareceu. Na verdade, quem apareceu foi meio Gordo Mário. Um Gordo Máio magro, quase irreconhecível. Contou que tinha feito uma dieta espetacular e perdido metade do seu peso. Aliás, contou isto várias vezes, para quem quisesse e não quisesse ouvir. O Gordo Mário não tinha outro assunto, só a dieta que o fizera perder a metade do que era.

O consenso no bar foi o seguinte: o Gordo Mário tinha perdido a metade errada.

***

Escolhas. Albert Camus disse que a única questão filosófica é o suicídio. Surpreende que - tendo sido goleiro na sua juventude argelina - Camus não tenha feito um adendo: as únicas questões filosóficas são o suicídio e o pênalti. Este pensamento não passou pela cabeça nem do Doninho, que ia bater o pênalti naquele final de jogo empatado, nem do Marcão, goleiro do adversário. Mas os dois estavam vivendo um momento camusiano: dois homens diante da magnitude de uma escolha decisiva, de uma escolha de vida ou morte que só depende deles, que não está nem escrita nem preordenada nas estrelas. Doninho: finjo que vou chutar na direita mas chuto na esquerda, ou chuto na direita mesmo porque ele vai adivinhar que eu vou fazer mesmo o que fingi que ia fazer, para enganá-lo. A escolha é só minha, Deus não tem nada a ver com isto. Marcão: escolho um lado e me atiro. Se acertar acertei, se não acertar... De qualquer maneira, a escolha é só minha. Doninho corre para a bola e chuta, e o conto termina aqui. Se a bola entra ou não, não é mais uma questão filosófica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.