Contemplando pedras em Kioto

Mesmo em um momento de crise, o Japão ainda reverencia a natureza

Marco Giannotti, O Estado de S.Paulo

17 Abril 2011 | 00h00

Ledo engano pensar sumariamente que o Japão inteiro está neste momento tremendo, sofrendo as agruras de uma iminente crise nuclear. Para quem está ao sul de Tóquio, distante cerca de 600 quilômetros da capital, o tempo é das sakuras, das cerejeiras floridas. Todos os japoneses celebram o advento da primavera visitando os parques recobertos por cerejeiras. Não se trata de uma espécie frutífera, foi desenvolvida exclusivamente para fins estéticos. Tudo o que é belo carrega consigo sua dimensão efêmera. Essas flores duram apenas duas semanas e celebram a passagem do tempo.

As cerejeiras passam a ser progressivamente cultivadas, pois são de origem local, em vez das ameixeiras, que vêm da China. Eram em particular admiradas pelos samurais, soldados indicados pelo imperador, mas que tinham grande poder e autonomia no século 12, porque mostravam um modo, uma forma de vida exemplar: embora seu florescer seja breve, é belo; as flores caem em conjunto, pétala por pétala, e dão lugar às folhagens que vêm a seguir.

Vale salientar que o imperador aqui é visto de maneira distinta dos reinados presentes no Ocidente. Seu papel é mais do que simbólico e carrega consigo uma herança divina, mesmo que tenha abdicado desse seu poder após a Segunda Guerra Mundial.

O calendário japonês é feito de acordo com o imperador, de modo que cada ano equivale a um determinado reinado. Kioto mantém uma rixa com a atual capital, pois, na verdade, o imperador jamais oficializou sua saída da antiga capital. Para os cidadãos daqui, ele está ainda em ferias em Tóquio.

Em paralelo à sua presença quase invisível, pois ele raramente é visto, se nota a presença constante de duas religiões que fazem parte da identidade japonesa: o xintoísmo e o budismo. A primeira tem uma origem propriamente japonesa, advém de mitos animistas e trata, antes de tudo, da vida cotidiana, do dia a dia. A outra advém da Índia, passando pela China e chegou ao Japão no século 6.º.

O budismo é importante na administração da vida após a morte. É comum que um japonês diga que não tem religião, mas que celebre em alguns momentos determinados ritos xintoístas e que enterre seus parentes em cemitérios budistas.

Já o xintoísmo adquire um papel proeminente novamente a partir da restauração Meiji, em 1868, na qual o Japão é reunificado sob o reinado de um único imperador dotado de poder divino. Ele reencarna o papel do primeiro imperador, Jimmu Tenno (cerca de 600 a.C.), filho da principal divindade xintoísta, Amaterasu, a deusa solar.

Pelo fato de ser identificada com uma religião do Estado e celebrar o nacionalismo, muitas vezes essa religião entra em conflito com a filosofia budista, que advém do exterior e é portanto mais internacional, unindo países como a Índia, China e o Japão.

Os templos budistas têm, portanto, maior autonomia e em alguns momentos buscavam se contrapor ao poder imperial. Em outros momentos, as religiões se fundem, de modo que certas divindades xintoístas aparecem como manifestações do Buda. No plano ético, a veneração da natureza e o sentimento de estabilidade grupal são princípios determinantes. A árvore celebrada pelos templos budistas é o pinheiro, pois suas folhas nunca caem e estão eternamente verdes.

Jardim zen. No famoso jardim de pedras em Ryoan-ji, temos a expressão máxima do jardim zen. Fundado em 1473 por um dos nobres mais poderosos do período, Hosokawa Katsumoto, vassalo do xogunato de Ashikaga Yosimasa, o templo foi construído quando Hosokawa se deu conta de que não iria viver muito mais tempo e decide então se retirar para uma vida com monges. De fato, ele morre no mesmo ano em que o templo foi construído. A concepção do jardim é atribuída ao pintor e jardineiro Soami (1472?-1525).

Com formato retangular, medindo 25 metros por 10 metros, o jardim contém 15 pedras irregulares rodeadas por musgo e são envoltas por pedregulhos brancos minuciosamente dispostos, formando um desenho ondulado. Ao seu lado, há um pavilhão onde se pode contemplar o jardim por horas a fio. Para alguém familiarizado com a arte contemporânea, trata-se de uma das mais belas instalações jamais vistas.

Quanto mais se observa, mais o tamanho das pedras parece adquirir uma escala monumental, e o observador parece diminuir, como na famosa descrição da experiência do sublime do romantismo alemão. Elas parecem sempre distintas, conforme o ponto de vista, mas salientam a sensação de permanência e estabilidade, em contraponto ao suntuoso jardim que ora apresenta sakura, ora celebra o outono e a passagem do tempo.

Em uma terra que treme, esse jardim celebra o oposto, a experiência zen do Satori, do despertar para a vida. Num momento em que toda a nação se torna mais solidária devido à tragédia do terremoto, seguido por um tsunami que destroçou Fukushima, essas pedras são o exemplo da capacidade japonesa de procurar estabilidade quando tudo que "é sólido parece se desmanchar no ar" a qualquer instante.

***

P.S.: Agradeço ao professor Ikunori Sumida, da Kyoto University of Foreign Affairs, por algumas informações valiosas fornecidas para este artigo.

ESPECIAL PARA O ESTADO

KIOTO

Ledo engano pensar sumariamente que o Japão inteiro está neste momento tremendo, sofrendo as agruras de uma iminente crise nuclear. Para quem está ao sul de Tóquio, distante cerca de 600 quilômetros da capital, o tempo é das sakuras, das cerejeiras floridas. Todos os japoneses celebram o advento da primavera visitando os parques recobertos por cerejeiras. Não se trata de uma espécie frutífera, foi desenvolvida exclusivamente para fins estéticos. Tudo o que é belo carrega consigo sua dimensão efêmera. Essas flores duram apenas duas semanas e celebram a passagem do tempo.

As cerejeiras passam a ser progressivamente cultivadas, pois são de origem local, em vez das ameixeiras, que vêm da China. Eram em particular admiradas pelos samurais, soldados indicados pelo imperador, mas que tinham grande poder e autonomia no século 12, porque mostravam um modo, uma forma de vida exemplar: embora seu florescer seja breve, é belo; as flores caem em conjunto, pétala por pétala, e dão lugar às folhagens que vêm a seguir.

Vale salientar que o imperador aqui é visto de maneira distinta dos reinados presentes no Ocidente. Seu papel é mais do que simbólico e carrega consigo uma herança divina, mesmo que tenha abdicado desse seu poder após a Segunda Guerra Mundial.

O calendário japonês é feito de acordo com o imperador, de modo que cada ano equivale a um determinado reinado. Kioto mantém uma rixa com a atual capital, pois, na verdade, o imperador jamais oficializou sua saída da antiga capital. Para os cidadãos daqui, ele está ainda em ferias em Tóquio.

Em paralelo à sua presença quase invisível, pois ele raramente é visto, se nota a presença constante de duas religiões que fazem parte da identidade japonesa: o xintoísmo e o budismo. A primeira tem uma origem propriamente japonesa, advém de mitos animistas e trata, antes de tudo, da vida cotidiana, do dia a dia. A outra advém da Índia, passando pela China e chegou ao Japão no século 6.º.

O budismo é importante na administração da vida após a morte. É comum que um japonês diga que não tem religião, mas que celebre em alguns momentos determinados ritos xintoístas e que enterre seus parentes em cemitérios budistas.

Já o xintoísmo adquire um papel proeminente novamente a partir da restauração Meiji, em 1868, na qual o Japão é reunificado sob o reinado de um único imperador dotado de poder divino. Ele reencarna o papel do primeiro imperador, Jimmu Tenno (cerca de 600 a.C.), filho da principal divindade xintoísta, Amaterasu, a deusa solar.

Pelo fato de ser identificada com uma religião do Estado e celebrar o nacionalismo, muitas vezes essa religião entra em conflito com a filosofia budista, que advém do exterior e é portanto mais internacional, unindo países como a Índia, China e o Japão.

Os templos budistas têm, portanto, maior autonomia e em alguns momentos buscavam se contrapor ao poder imperial. Em outros momentos, as religiões se fundem, de modo que certas divindades xintoístas aparecem como manifestações do Buda. No plano ético, a veneração da natureza e o sentimento de estabilidade grupal são princípios determinantes. A árvore celebrada pelos templos budistas é o pinheiro, pois suas folhas nunca caem e estão eternamente verdes.

Jardim zen. No famoso jardim de pedras em Ryoan-ji, temos a expressão máxima do jardim zen. Fundado em 1473 por um dos nobres mais poderosos do período, Hosokawa Katsumoto, vassalo do xogunato de Ashikaga Yosimasa, o templo foi construído quando Hosokawa se deu conta de que não iria viver muito mais tempo e decide então se retirar para uma vida com monges. De fato, ele morre no mesmo ano em que o templo foi construído. A concepção do jardim é atribuída ao pintor e jardineiro Soami (1472?-1525).

Com formato retangular, medindo 25 metros por 10 metros, o jardim contém 15 pedras irregulares rodeadas por musgo e são envoltas por pedregulhos brancos minuciosamente dispostos, formando um desenho ondulado. Ao seu lado, há um pavilhão onde se pode contemplar o jardim por horas a fio. Para alguém familiarizado com a arte contemporânea, trata-se de uma das mais belas instalações jamais vistas.

Quanto mais se observa, mais o tamanho das pedras parece adquirir uma escala monumental, e o observador parece diminuir, como na famosa descrição da experiência do sublime do romantismo alemão. Elas parecem sempre distintas, conforme o ponto de vista, mas salientam a sensação de permanência e estabilidade, em contraponto ao suntuoso jardim que ora apresenta sakura, ora celebra o outono e a passagem do tempo.

Em uma terra que treme, esse jardim celebra o oposto, a experiência zen do Satori, do despertar para a vida. Num momento em que toda a nação se torna mais solidária devido à tragédia do terremoto, seguido por um tsunami que destroçou Fukushima, essas pedras são o exemplo da capacidade japonesa de procurar estabilidade quando tudo que "é sólido parece se desmanchar no ar" a qualquer instante.

***

P.S.: Agradeço ao professor Ikunori Sumida, da Kyoto University of Foreign Affairs, por algumas informações valiosas fornecidas para este artigo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.