Nilton Fukuda/Estadão - 13/11/2019
Nilton Fukuda/Estadão - 13/11/2019

Cônsul de Israel em São Paulo se diz satisfeito com demissão de Alvim

Alon Lavi disse pelas redes sociais que 'não existe espaço para o uso de símbolos ou discursos nazistas de forma alguma'

Guilherme Sobota, O Estado de S. Paulo

17 de janeiro de 2020 | 17h42

O cônsul geral de Israel em São Paulo, Alon Lavi, usou as redes sociais para manifestar sua satisfação com a demissão do ex-secretário de Cultura do governo Bolsonaro, Roberto Alvim

"O Consulado está satisfeito com a decisão do Governo Federal Brasileiro de exonerar o Secretário Especial da Cultura Roberto Alvim. Não existe espaço para o uso de símbolos ou discursos nazistas de forma alguma", escreveu Lavi no Twitter, retuitando uma mensagem do presidente Jair Bolsonaro. 

"O Estado de Israel e a comunidade judaica continuarão lutando juntos contra o antissemitismo, o nazismo e a negação do Holocausto", concluiu.

Nas mensagens reproduzidas no Twitter do Cônsul, o presidente Jair Bolsonaro disse que repudia "ideologias totalitárias e genocidas, bem como qualquer tipo de ilação às mesmas. Manifestamos também nosso total e irrestrito apoio à comunidade judaica, da qual somos amigos e compartilhamos muitos valores em comum".

As mensagens do Cônsul também foram replicadas pela página oficial do Consulado Geral de Israel.

 


 


Bolsonaro demitiu o secretário de Cultura, Roberto Alvim, após a referência ao nazismo em vídeo divulgado nas redes sociais. Alvim citou textualmente trechos de um discurso do ideólogo nazista Joseph Goebbels, e depois ainda disse, em entrevista ao Estado, que "assina embaixo" de algumas ideias de Goebbels em relação à arte.

A embaixada da Alemanha no Brasil também repercutiu o discurso de Alvim. Pelo Twitter, a embaixada afirmou que se opõe a “qualquer tentativa de banalizar ou mesmo glorificar a era do nacional-socialismo”, como era formalmente chamado o regime nazista.

“O período do nacional-socialismo é o capítulo mais sombrio da história alemã, trouxe sofrimento infinito à humanidade. A Alemanha mantém sua responsabilidade. Opomo-nos a qualquer tentativa de banalizar ou mesmo glorificar a era do nacional-socialismo”, publicou a embaixada.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.