Congo passará a ensinar português nas escolas

País africano diz que quer se aproximar de nações vizinhas que falam o idioma.

Jair Rattner, BBC

04 Junho 2010 | 18h06

Os governos de Portugal e da República do Congo (também conhecido como Congo-Brazzaville) assinaram nesta sexta-feira em Lisboa um acordo que prevê que, a partir de 2011, a língua portuguesa seja ensinada nas escolas do país africano.

O Congo, que tem o francês como língua oficial, fica próximo de Angola e de São Tomé e Príncipe, duas ex-colônias portuguesas, e os três países pertencem à mesma comunidade econômica, a Comunidade Econômica dos Estados da África Central.

"Nós pretendemos nos aproximar dos nossos vizinhos", explicou Basil Ikoubéké, ministro dos Negócios Estrangeiros do Congo.

Segundo ele, no início o ensino da língua será experimental e os primeiros a aprender o idioma serão diplomatas congoleses. O governo português enviará professores ao país.

'Incontornável'

O negociador do acordo do lado português, Domingos Alvim, disse que o ensino da língua deve começar em setembro do ano que vem, mas ainda falta definir detalhes sobre o acordo.

"O número de escolas será definido pelo governo de Brazzaville em coordenação conosco, no âmbito de uma comissão que vai ser criada para preparar todo esse programa", afirmou Alvim.

Atualmente, já existe o ensino de português como língua estrangeira em vários países africanos onde o idioma não é oficial. É o caso de Senegal, Namíbia, Suazilândia, Costa do Marfim e África do Sul.

Para o ministro português Luís Amado, a decisão do governo congolês reflete o aumento da importância da língua portuguesa.

"A língua portuguesa tornou-se uma língua incontornável na vida africana", avaliou. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.