Confira trecho da peça Salmo 91, que estréia no Sesc

Leia monólogo do personagem Edelso na peça escrita por Dib Carneiro Neto

Agencia Estado

06 de julho de 2007 | 16h17

Leia trecho da peça Salmo 91, de Dib Carneiro Neto, editor do Caderno 2, baseada no livro Estação Carandiru, de Drauzio Varella. Monólogo do personagem Edelso (Ando Camargo): Edelso (rindo e gargalhando cada vez mais): Placebo! Placebo! (rola de rir na cela) Placebo! Então é isso que esses médicos vão aprender na universidade? Placebo! Eu, que nunca estudei, sou mais médico do que esse monte de doutor que só enrola a clientela com placebo! (ri) Como é que eu nunca desconfiei? E depois o falso médico sou eu... Eu é que sou enquadrado por falsidade ideológica... Cambada de placebento! (rindo) (pausa curta) O doutor aí do ambulatório é um cara batutão, boa gente. Já confia em mim até! Me contou o que é placebo! (ri) Foi prova de confiança! Malandro chega lá com jeito de quem não tem nada, mas diz que está sentindo tudo quanto é porcaria... Doutor vira pro colega e manda: é placebo! Receita qualquer aguinha inofensiva e o malandro sai achando que o doutor acreditou na história dele e coisa e tal... Se o doutor do ambulatório me contou esse código que só os médico usa entre eles, é batata: é porque ele já confia e muito aqui no enfermeiro Edelso, um seu criado (bate no peito). Também...pudera, ele viu logo de cara que eu entendo da coisa, que eu levo jeito pra medicina. Sou presidiário, mas não sou burro. Tenho mão pra coisa...E depois tem outra: já aprendi muitos macetes. Num sô mais falso médico, pode apostar... O principal é olhar bem nos ‘olho’ do cliente, sacar se o dito-cujo tá de mentira, querendo enrolá na enfermaria prá fugi de alguma desavença ou ameaço de morte. O melhor é ir logo pesando o malandro... Porque se neguinho diz que passou a noite sujando o boi, com diarréia das feia, conferir se o peso caiu é batata. Como pode não ter perdido peso se passou a noite descarregando até a alma... É ni quando o doutor pega o cascateiro... Escutá os pulmão também é esperteza recomendada. Médico que é médico mesmo num fala escutá, fala ‘auscultá’, que é mais bonito, impressiona o cliente... Malandro chega dizendo que tá com uma tosse do cão e escarrando sangue, ah é? Então vai falando 33 aí que eu quero vê uma coisa... Pedido de receita de Biotônico Fontoura é que nem mato... Cada puta bitelão, trinta crime nas costas, chegando com voz de nenê: "Eu tomo desde criancinha, seu dotô, é remédio de família..." Aqui, ó (faz banana com as mãos). O Biotônico da mamãe é prá misturá com a pinga maria-louca e dar o maior barato na galera... Pior que fogo descendo pelas garganta... Doutorzão não é bobo não... Me ensinou a ser um médico de verdade...

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.