Confira destalhes da história de Sansão e Dalila

Na ópera Sansão e Dalila os personagens principais são pessoas reais, ou mitos criados a partir de pessoas de carne osso, conforme o Livro do Juízes, na Bíblia.  O primeiro ato começa com os hebreus lamentando sua sorte e se sentindo abandonados por Deus, pois vivem escravizados pelos filisteus. Surge entre eles um líder, Sansão, que os encoraja. A cena se passa numa praça na cidade de Gaza, diante do templo de Dagon. Surge o sátrapa de Gaza, Abimelech, e seus soldados, mandando que o povo se cale. Sansão invoca o poder de Deus e desafia o governante que tenta atingi-lo com a espada, mas acaba morto pelo líder hebreu. A demonstração de força de Sansão faz os filisteus fugirem.  Dagon, o Sumo-Sacerdote, recebe uma mensagem de que os escravos liderados por Sansão estão destruindo os campos. Quando amanhece, os hebreus rezam em louvor ao poder de Deus sob o comando de um ancião e assim que as portas do templo são abertas aparece Dalila e um grupo de jovens filistéias, para coroar Sansão. Ela o convida para visitá-la no vale do Soreck, mas o ancião alerta o herói contra os encantos da sacerdotisa.  No segundo ato da ópera, a cena muda de lugar. Dalila está em casa esperando pela chegada de Sansão, quando o Sumo-Sacerdote aparece oferecendo-lhe dinheiro para vingar o povo filisteu e descobrir o segredo da força de Sansão. Dalila diz que vai agir movida pelo ódio que sente pelo herói hebreu, e não pelo dinheiro.  Sansão chega à casa de Dalila cheio de remorsos. Em meio à troca de carícias ela pede a ele que lhe conte o segredo de sua força, mas Sansão se recusa. Reclamando de sua falta de amor e confiança, Sansão revela que sua força vem de seus longos cabelos. Quando eles se deitam abraçados ela corta seus cabelos em rápido golpe, chamando a seguir os soldados filisteus escondidos no jardim de sua casa, que levam o traído Sansão preso.   A prisão de Gaza é o cenário do terceiro ato da peça. Um enfraquecido Sansão, que teve seus olhos arrancados, é mantido preso a uma roda de moinho que gira com dificuldade, ouvindo o lamento em coro dos hebreus acusando Sansão por sua má sorte de terem voltado a ser escravizados. Sansão pede perdão a Deus. Em outra cena, no templo de Dagon, os filisteus comemoram em um bacanal ao lado de Dalila. Sansão é levado para participar da festa. Todos zombam dele e no momento em que o Sumo-Sacerdote ofende Jeová, Sansão reza em voz alta e sente suas forças voltarem. Pede então a um menino que o leve ao centro do templo e saia correndo em seguida. Sansão usa sua força e coloca as colunas do templo abaixo, matando todos os que ali estavam.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.