J.F.Diório/AE
J.F.Diório/AE

Comportados filhotes

Restart, da segunda geração emo, consagra-se e é vaiado em festa marcada por conservadorismo juvenil

Jotabê Medeiros, O Estado de S.Paulo

18 de setembro de 2010 | 00h00

Agradecimentos ao papai, à mamãe, à titia. Família, cachorro, gato, galinha. Avô e avó como âncoras. A simpática Palmirinha, a amnésica vovó cozinheira da TV, foi tietada pela molecada. Uma cópia infantil de Lady Gaga passeava com troféus pelo palco. Uma cópia andrógina da Lady Gaga. Clones de Raul Gil, Faustão, Luciana Gimenez. Discursos políticos com a profundidade de pires. Shows de rock com a virulência de um passeio no chapéu mexicano do Playcenter.

Como no antigo discurso sessentista de Caetano Veloso, se é essa a juventude que quer tomar o poder... A festa de prêmios da MTV, o Video Music Brasil, consagrou uma banda de meninos, o Restart (o nome, reiniciar, já sugere a necessidade de começar tudo de novo), que papou os cinco principais troféus: Artista do Ano, Hit do Ano, Clipe do Ano, Revelação, Pop. Nem os Beatles conseguiram ir tão longe: no mesmo ano em que foram revelados, serem considerados os artistas do ano na Grã-Bretanha...

A vitória do Restart, que começou a noite tocando em uma praça, uma área externa à festa, com transmissão ao vivo pelo telão, desafiou até a obediente claque que recebe dinheiro para aplaudir os astros no Credicard Hall: logo depois do quarto prêmio da noite, o público ensaiado para aplaudir vaiou a banda de garotos ("Hey, Restart, vai tomar no c...!", berravam), e os meninos chegaram a desabafar ainda em cena, no final: "A gente aceita a crítica, mas construtiva."

Ao começar a cerimônia, a noite prometia: o apresentador Marcelo Adnet entrou no palco fazendo rimas de rap, acompanhado de beatbox. Mas daí surgiu a Sandy, cantando no meio da plateia, e a rima deixou de ser uma solução. Até que Miranda, do programa Qual é o Seu Talento?, no SBT, intercedeu com veemência e "reprovou" o showzinho. Logo, os convidados começaram a dar o tom da festa (talvez a mais consolidada da música nacional, mas que passa pela mesma crise da emissora que a banca).

Primeiro, veio a instant celebrity Larissa Riquelme, modelo paraguaia, que tinha um logotipo de desodorante nos seios - a primeira mamária patrocinada da História. Depois, o apresentador Raul Gil, talvez o mais animado ("Homem é homem, baitola é baitola", cantava, nos bastidores). O punk da bola, Neymar, bateu bola com o apresentador e quase não abriu a boca.

Anônimos também vivem seus dias de glória no VMB, uma de suas boas sacadas, como o cantor do Rebolation e os autores dos vídeos mais comentados do Youtube (caso dos garotos que fizeram o vídeo Justin Biba, premiados). Outro destaque da internet, Felipe Neto, agradeceu seu prêmio à família. "Família de verdade. Pai, mãe: obrigado!"

A MTV sempre busca homenagear seu próprio passado, marketing endógeno que é marca da festa. Este ano, sacaneou de leve os ex-VJs Luiz Thunderbird e Astrid Fontenelle. Resgatou Sabrina Parlatore. A comediante Dani Calabresa, que gravou vinhetas como uma avó comendo pipoca no sofá, disse que tinha saudade dos VJs do passado. Quando seu "velho" mencionou o nome de Astrid, ela retrucou: "Não sou tão velha assim."

A proximidade das eleições foi lembrada durante o prêmio em alguns momentos. O apresentador Marcelo Adnet satirizou o horário eleitoral gratuito, apresentando-se como candidato do Partido da Sinceridade, "aquele que te rouba e você esquece".

Ao entregar ao Restart o prêmio de Hit do Ano, Danilo Gentile, do CQC, brincou: "Apanhei tanto de políticos este ano, tanto, que o Dado Dolabella me ligou em casa me pedindo em casamento." O VJ Casé tentou ser contundente, mas sua crítica política não é muito diferente da do Tiririca. "Se vocês escolheram direitinho a sua banda, escolham bem no dia 2 de outubro... Tem gente pensando que nós somos otários, nós vamos dar a resposta nas urnas", afirmou.

Fez muita falta a trupe de humoristas Hermes & Renato, que assinou com outra emissora. Mais anárquicos e imaginativos, Hermes & Renato não vivem tanto da caricatura e da paródia, criam seu próprio universo de deformações sociais.

Do ponto de vista da efetividade da premiação (que é popular, pela internet, ressalte-se), o saldo é precário. Os "novos" são um tanto assépticos. A Aposta MTV recaiu em Thiago Petit, em detrimento de nomes como Lucas Santtana. Diogo Nogueira ganhou na categoria MPB. Na primeira vez que houve a categoria "Aposta Internacional", a surpreendente Janelle Monáe perdeu para o fraco School of Seven Bells.

Os números musicais foram dos mais inexpressivos dos últimos tempos. A maior expectativa ficava na apresentação de Otto, mas foi fraca. As jams do emocore presente só emocionaram fãs. A banda OK Go!, que reinventou o sentido do videoclipe, fechou com When the Morning Comes. Pouquinho.

Língua solta

WALESKA POPOZUDA

FUNKEIRA

"Estou impressionada com a minha bunda"

ROBERTO JUSTUS

APRESENTADOR

"Meu estilo é outro, tenho vontade de cantar no Carnegie Hall"

DINHO OURO PRETO

CANTOR

"É sangue de boi", após negar taça de vinho a um jornalista

RAUL GIL

APRESENTADOR

"Homem é homem, baitola é baitola"

PE LANZA

CANTOR DO RESTART

"Acho que a gente não merecia esse prêmio, mas obrigado"

DANILO GENTILE

HUMORISTA

"Não mereciam mesmo!", respondendo ao cantor do Restart

RAFAEL QUEIROGA

HUMORISTA

"Tomaram uma bebida estranha em Paraty e o loirinho aqui acordou sem um rim", fingindo-se de tradutor para gringos

TURMA DO TROFÉU

Artista do Ano

Restart

Hit do Ano

Recomeçar - Restart

Clipe do Ano

Recomeçar - Restart

Show do Ano

NX Zero

Revelação

Restart

Pop

Restart

Rock

Pitty

MPB

Diogo Nogueira

RAP

MV Bill

Musica Eletrônica

Boss In Drama

Artista Internacional

Justin Bieber

Aposta

Thiago Petit

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.