Companhia italiana de dança, em SP

Depois do Rio, de Ribeirão Preto ePorto Alegre, será a vez de São Paulo aplaudir a cia. de dançacontemporânea Aterballetto, uma das mais importantes daatualidade, na Itália e no mundo. Desta terça-feira até quinta, 20bailarinos apresentam-se sob a direção do coreógrafo MauroBigonzetti, no Teatro Municipal, com um repertório diversificado que inclui coreografias assinadas por grandes nomes comoWilliam Forsythe, diretor do Ballet de Frankfurt, e Jirí Kylián,do Nederlands Dans Theater. A temporada encerra a programação2002 da Série Antares Dança, que trouxe ao País Bill T. Jones eRosas da Bélgica, por exemplo. Fundado em 1979, o Aterballetto acumulou rico repertóriosob a direção artística de Amadeo Amodio. Em 1996, Bigonzetti,um dos principais bailarinos da companhia, assumiu a direção.Nos últimos seis anos, ele conquistou a crítica com mais de 50trabalhos que apostam na versatilidade e técnica de seu elenco.Mas a atuação de Bigonzetti ultrapassa os limites da própriacompanhia. Recentemente, ele criou Vespro, para o New YorkCity Ballet. Em março, ele volta ao Brasil para realizar umtrabalho com o Ballet da Cidade de São Paulo. Formado por 20 bailarinos, entre os quais franceses,italianos, belga e dois brasileiros, os irmãos George Oliveira,de 19 anos, e Alexis, de 21, o Aterballetto retorna ao Brasilapós 13 anos com quatro coreografias que exigem muita técnica ehabilidade para incorporar diferentes estilos. São elas:Steptext, Heart´s Labyrinth, Furia Corporis eCanzoni. "Gosto de balés homogêneos, mas acredito que opúblico brasileiro vai preferir a diversidade, as surpresas eemoções de cada coreografia", comenta Bigonzetti. A primeira, Steptext, de William Forsythe, commúsica de J.S. Bach, foi criada especialmente para oAterballetto e estreou em 1985, em Reggio Emilia, cidade natalda companhia. A obra coloca em cena três homens e uma mulherdançando na ponta. "Essa peça exige técnica pura, força erigorosa sincronia entre os bailarinos. Para a mulher, ela émuito mais difícil, pois ela é manejada o tempo todo peloshomens como se fosse de borracha. A bailarina tem de terpersonalidade forte e muita concentração, pois pode serperigoso", explica o diretor. "A iluminação e os cenáriostambém são de grande importância em todas as coreografias." Heart´s Labyrinth foi concebido por Jirí Kylián em1986, em homenagem a uma das bailarinas de sua companhia quehavia se suicidado dois anos antes, na região de Reggio Emilia,onde fica o Aterballetto. "Por isso, Kylián achou justo criaresta peça para nós", conta Bigonzetti. "A bailarinaenvenenou-se e entrou em coma. Kylián passou dois dias olhandopara ela nesse estado. Somente no ano passado, ele voltou àquelaregião." Segundo o coreógrafo, além do sentimento de vazio eprofunda tristeza, ele sentiu a urgência de examinar a fundo oque ocorria em sua alma. Com os bailarinos, ele criou umavisualização do que estava em suas mentes e corações. "Emmomentos da minha vida como este, é extremamente difícilpermanecer racional e também controlar as emoções dentro de umpatamar, que a coreografia ganhe estrutura, clareza eequilíbrio. Escolhi deliberadamente músicas de característicascontrastantes, pois existe uma vasta diferença entre Dvorák eWebern, mas existe um denominador comum ­- um conteúdo emocionalmuito profundo. Para os bailarinos, é um dos mais difíceistrabalhos que criei, pois requer um perfil técnico bastante altoe uma abordagem de muita maturidade emocional e dramática. Mas,paixão e controle são duas qualidades que podem deixar umaprofunda e duradoura impressão no espectador, mesmo que sejadifícil unir as duas qualidades no momento do espetáculo",explicou Kylián, em entrevista por e-mail ao Estado. As outras duas peças do programa são de Bigonzetti.Canzoni, traz dez músicas dançadas por trios, duplas ou solos,incluindo Lindeza, de Caetano Veloso (dançada pelobrasileiro George), e Naquela Estação, de AdrianaCalcanhotto. Além de Jamiroquai, Nick Cave, Marie Boine e DavidByrne. Com 43 minutos de duração, as coreografias "sãoapresentados como flashes". George Oliveira conta que, nestetrabalho Bigonzetti deixou os bailarinos muito à vontade paraparticipar da criação e expor a própria personalidade. "Esta éuma peça de 1997 e não tem segundo elenco", diz o diretor dacompanhia, que é fã da música brasileira, especialmente deVinícius de Moraes, Bethânia, Tom Jobim, Tom Zé e CarlinhosBrown, além, claro, de Caetano e Adriana Calcanhotto. Em Furia, de 1998, Bigonzetti alia sensualidade amovimentos marcados "como a batida do coração". Ele explicaque nos escritos sobre a arte dos sécuos 15 e 16, fúriasignificava fogo, paixão, delírio. Ou seja, um espetáculo desentimentos permeados pela luz e pela 9.ª Sinfonia deBeethoven. Nas apresentações na cidade, o Aterballetto vai mostrardois programas. O primeiro inclui Heart´s Labyrinth,Steptext e Canzoni e será mostrado terça e quinta.No segundo programa, Canzoni será substituída por FuriaCorporis, na quarta-feira.Serviço - Aterballetto. De amanhã a quinta, às 21 horas. DeR$ 20,00 a R$ 110,00. Teatro Municipal. Praça Ramos de Azevedo,s/n.º, tel. 222-8698

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.